Geral
27.03.2013

Vacina experimental oferece mais de 90% de proteção contra doença de Chagas

TcVac3 pode interromper o dano cardíaco irreversível que atinge cerca de um terço das pessoas infectadas pelo Trypanosoma cruzi

Cientistas da Universidade do Texas, nos EUA, desenvolveram uma vacina que oferece proteção contra a doença de Chagas.

A vacina experimental, chamada TcVac3, poderia interromper o dano cardíaco irreversível que aflige cerca de 30% das pessoas com a doença.

Os resultados foram publicados na revista Plos One.

A equipe, liderada por Nisha Garg, identificou e testou potenciais candidatos a antígenos de Trypanosoma cruzi (T. cruzi) e modelos de entrega para estabelecer a segurança e eficácia da nova vacina.

"Isso sinaliza um avanço científico, a eficácia da vacina sem precedentes para uma doença comum parasitária sem cura para doentes crônicos. Se esta vacina se mostrar prática, pode ser aprovada em tão pouco tempo quanto cinco anos para uso em cães, que são hospedeiros da doença", afirma Garg.

T. cruzi, transmitido pelo inseto triatomíneo, ou "barbeiro", é predominante em quase todos os países da América Latina e está se tornando mais comum nos EUA. A Organização Mundial da Saúde estima que cerca de 10 milhões de pessoas, a maioria crianças, estão infectadas no mundo. Cerca de 13 mil morrem a cada ano devido a complicações da doença de Chagas.

A vacina

TcVac3 é o resultado da análise computacional / bioinformática rigorosa e triagem do genoma do T. cruzi para antígenos potenciais ao longo dos anos por Garg e sua equipe. Estas análises levaram os pesquisadores a três antígenos potenciais (TCG1, TcG2 e TcG4) para uma investigação mais aprofundada.

Em seguida, eles começaram a testar esses antígenos e modelos de entrega de vacinas potenciais, como os componentes são dispostos na vacina real, para determinar as melhores abordagens.

As primeiras experiências revelaram que a distribuição dos antígenos por uma abordagem de impulso DNA-prime/protein, junto com a co-entrega de IL-12 e GM-CSF, citocinas adjuvantes destinadas a aumentar a resposta imunitária, foi eficaz na geração de respostas de células T e de anticorpos capaz de fornecer mais de 90% de controle da infecção aguda e da carga parasitária em camundongos infectados.

Reconhecendo, contudo, que este modelo de entrega da vacina foi muito complexo, os cientistas procuraram simplificar a vacina utilizando um modelo DNA / MVA, que oferece muitas vantagens: pode acomodar vários genes estranhos no genoma; pode ser administrado por uma variedade de vias; tem um registo de segurança excelente, e tem sido mostrado para gerar respostas imunes para uma variedade de antígenos estranhos. MVA por si só pode funcionar como um adjuvante, uma vez que fornece um sinal para o sistema imune inato e pode aumentar as células T.

Baseado em estudos preliminares que indicaram a potência deste modelo de entrega, os cientistas testaram a eficácia de proteção de TcVac3, constituída apenas de TcG2 e TcG4 e sem os adjuvantes, entregues pela abordagem DNA / MVA.

Com duas doses de vacina, os ratos com anticorpos induzidos por TcVac3 apresentaram 92 a 96% de proteção contra a infecção crônica. Eles descobriram que a abordagem DNA / MVA aumentou a eficácia da vacina suficiente para omitir um dos antígenos e os adjuvantes, tornando-se uma vacina muito mais simples, mas ainda altamente eficaz.

"Como a doença de Chagas é mais prevalente em países em desenvolvimento, é essencial que uma potencial vacina seja barata e fácil de ser entregue. TcVac3 cumpre este objetivo, tornando-se não só a candidato eficaz, mas ideal", afirma Garg.

Pesquisas futuras irão determinar se a composição da vacina pode ser ainda mais simplificada. Além disso, os cientistas já estão realizando ensaios relacionados em caninos. Garg e sua equipe também estão trabalhando em ensaios pré-clínicos de amostras de pacientes humanos. Os resultados de ambos os estudos estão previstos ainda este ano.

Fonte: Isaude.net