Geral
20.03.2013

Pesquisa desvenda ação de endotoxinas em infecções na polpa dentária

Resultados do trabalho apontam para a necessidade da adoção de uma terapia endodôntica contemporânea mais eficaz

Estudo do cirurgião dentista Frederico Canato Martinho, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), desvendou a ação de endotoxinas em infecções na polpa dentária. Os resultados do trabalho apontam para a necessidade da adoção de uma terapia endodôntica contemporânea mais eficaz, baseada na erradicação da infecção, tanto dos micro-organismos, que envolve o aspecto microbiológico, como das endotoxinas deles provenientes.

A pesquisa envolveu o emprego de diferentes manobras endodônticas - tais como uso de técnicas e de substâncias específicas - utilizadas na redução ou eliminação dos micro-organismos e endotoxinas e também o monitoramento do potencial inflamatório dessas endotoxinas.

De acordo com a professora Brenda Paula Figueiredo de Almeida Gomes, orientadora na pesquisa, diferentemente dos trabalhos apresentados na literatura endodôntica, a pesquisa teve como objetivos não só identificar o perfil infeccioso da doença endodôntica, mas avaliar simultaneamente a atividade endotóxica e o potencial inflamatório do conteúdo endodôntico frente a diferentes protocolos de tratamento preconizados por profissionais da área.

Tratou-se de uma pesquisa clínica, portanto envolvendo pacientes, integrada à imunobiologia celular, que utilizou diversos métodos de identificação microbiana, de detecção e quantificação de endotoxinas e de monitoramento de citocinas pró-inflamatórias.

Os dados obtidos permitiram estabelecer uma conexão entre os resultados laboratoriais e os aspectos clínicos dos pacientes: quanto maior a carga de endotoxinas, maior a resposta inflamatória, maior a dor e consequentemente a severidade da doença.

Com informações da Unicamp

Fonte: Isaude.net