Geral
11.03.2013

Comprimento dos telômeros prevê expectativa de vida de pacientes cardíacos

Medida pode ainda ser usada no futuro como forma de monitorar a eficácia de tratamentos para doenças do coração

Imagem: Kootation
Estudo revelou a possibilidade de prever as taxas de sobrevivência entre os pacientes com doença cardíaca com base no comprimento de uma cápsula protetora do DNA
Estudo revelou a possibilidade de prever as taxas de sobrevivência entre os pacientes com doença cardíaca com base no comprimento de uma cápsula protetora do DNA

Pesquisadores do Intermountain Medical Center, nos EUA, descobriram que o comprimento de um filamento do DNA pode prever a expectativa de vida de pacientes com doença cardíaca.

Estudo mostrou que é possível prever as taxas de sobrevivência entre os pacientes com doença cardíaca com base no comprimento de uma cápsula protetora do DNA encontrada na extremidade dos cromossomos conhecida como telômeros.

Segundo os pesquisadores, quanto mais longo o telômero, maior a chance de viver por mais tempo. A equipe sugere ainda que os telômeros poderiam ser usados no futuro como uma forma de medir a eficácia do tratamento cardíaco

Pesquisas anteriores demostraram que o comprimento dos telômeros pode ser utilizado como uma medida da idade, mas estas descobertas sugerem que a expansão do comprimento dos telômeros podem igualmente prever a expectativa de vida de pacientes com doença do coração.

Telômeros protegem as extremidades do cromossomo de estragar. Conforme as pessoas envelhecem, seus telômeros ficam mais curtos até que a célula não é mais capaz de se dividir. Telômeros encurtados estão associados com doenças relacionadas à idade, tais como doença cardíaca ou câncer, bem como a exposição ao dano oxidativo causado por estresse, tabagismo, poluição do ar, ou condições que aceleram o envelhecimento biológico.

O pesquisador John Carlquist e seus colegas analisaram o DNA de mais de 3.500 pacientes que sofreram ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral (AVC).

Eles se basearam em um recurso exclusivo que permite estudar os efeitos do comprimento dos telômeros e as taxas de sobrevivência de pacientes cardíacos. Um arquivo de amostras de DNA do sangue periférico coletadas de quase 30 mil pacientes cardíacos, com até 20 anos de acompanhamento clínico e dados de sobrevivência. "Com tantas amostras e registros eletrônicos completos, é um recurso único. É inigualável no mundo, e permite medir a taxa de variação do comprimento dos telômeros de um paciente ao longo do tempo, em vez de apenas um instante no tempo, o que é típico para a maioria dos estudos", observa Carlquist.

A equipe acredita que o comprimento dos telômeros poderia ser usado no futuro como uma forma de medir a eficácia do tratamento cardíaco. "Nós já pode testar o colesterol e a pressão sanguínea de um paciente para ver como o tratamento está funcionando, mas isso pode nos dar uma visão mais profunda sobre a forma como o tratamento afeta o corpo e se está ou não funcionando", conclui Carlquist.

Fonte: Isaude.net