Ciência e Tecnologia
06.03.2013

Técnica de reprogramação melhora audição de usuários de implantes cocleares

Método guiado por imagem aumenta a qualidade e a clareza dos sons para pessoas com perda auditiva grave

Foto: John Russell/Vanderbilt
René H. Gifford (a esq.) ajusta o processador de som externo
René H. Gifford (a esq.) ajusta o processador de som externo

Pesquisadores da Vanderbilt University, nos EUA, desenvolveram uma forma de reprogramar os implantes cocleares que melhora a qualidade e a clareza da audição dos usuários.

"Nosso método automatizado guiado por imagem pode melhorar drasticamente a audição com um implante coclear, mesmo se o implante aconteceu há muito tempo", afirma o pesquisador Benoit M. Dawant.

Mais de 200 mil pessoas no mundo têm implantes cocleares e o número de destinatários recém-implantados está aumentando drasticamente a cada ano.

Os implantes cocleares restauram a audição para pessoas com perda auditiva grave a profunda. Os dispositivos utilizam uma combinação de eletrodos implantados cirurgicamente que estimulam as vias do nervo auditivo e um processador de som externo usado atrás da orelha para proporcionar sensações auditivas. Embora os implantes cocleares sejam considerados padrão de cuidados de tratamento a perda auditiva, a qualidade de audição não representa a fidelidade normal e alguns usuários podem experimentar apenas a restauração marginal da audiência.

Os implantes cocleares usam de 12 a 22 eletrodos, dependendo do fabricante do dispositivo. Embora os eletrodos implantados possam ser vistos em uma tomografia computadorizada, as células nervosas que eles estimulam não são facilmente identificadas devido à sua localização e tamanho microscópico. Tradicionalmente, todos os eletrodos são ligados e programados para estimular as células nervosas circundantes. Este modelo único pode resultar em uma audiência menos clara quando eletrodos adjacentes estimulam a mesma região das células nervosas. Para complicar, o desafio é que a estrutura anatômica de cada pessoa varia e, portanto, cada implante deve ser programado em uma abordagem global, processo que consome tempo no pós-operatório.

O novo projeto incluiu várias etapas. Uma delas foi determinar um método confiável de localizar as células nervosas do gânglio espiral (que se conectar ao nervo auditivo), mapeando a anatomia coclear externa correspondente utilizando um modelo de forma estatística e determinar a posição dos eletrodos em relação a estas células nervosas.

Atingindo este objetivo, o passo seguinte foi desenvolver uma técnica que utiliza as informações para gerar um plano personalizado para a programação do implante coclear pós-operatório que poderia ser implementado por fonoaudiólogos em qualquer paciente.

A nova técnica usa tomografias dos pacientes tiradas no pré e pós-operatório para determinar a localização dos eletrodos implantados e onde ocorre a sobreposição, possivelmente causando interferências na transmissão de sinais.

A estratégia guiada por imagem e software, então identifica quais eletrodos podem ser desligados sem perda da fidelidade da audição fidelidade. Um audiologista usa este plano de programação para criar um mapa personalizado para a pessoa. O processo é completamente não invasivo, pois não é necessária nenhuma cirurgia e pode ser realizado em consultórios médicos.

A nova programação visa melhorar a qualidade do som e a resolução espectral (seletividade de frequência). "A resolução espectral é basicamente a capacidade de tirar um som complexo e dividi-lo em seus componentes individuais. É algo que fazemos muito bem com a audição normal e é algo que o ouvido com audição elétrica por meio de implante faz mal", afirma a pesquisadora René H. Gifford.

A participante Kelly Harris revela que a reprogramação melhorou sua audiência tanto quanto a obtenção do implante em primeiro lugar. "Eu amo isso. Quando saí da clínica no dia em que René mudou o programa, eu imediatamente sabia que poderia ouvir melhor. Antes da reprogramação, eu nunca soube em que direção o som vinha. Ontem à noite, um amigo meu pensou que minha TV estava fazendo um barulho e eu sabia que ele estava vindo de outra direção. Também estou ouvindo muito mais sons suaves e ainda mais música", relata.

O projeto continua a inscrever novos participantes. Atualmente, eles estão recrutando adultos, embora Gifford acredite que as crianças, em particular, se beneficiarão da nova programação.

Fonte: Isaude.net