Geral
20.02.2013

Antidepressivo pode melhorar tratamento de anemia hereditária grave

Tranilcipromina impulsiona a produção de hemoglobina fetal e reverte os efeitos causados pela anemia falciforme

Um medicamento antidepressivo usado desde os anos 1960 pode ser eficaz também no tratamento da anemia falciforme, de acordo com descoberta de pesquisadores da Universidade de Michigan, nos EUA.

A pesquisa, publicada na revista Nature Medicine, sugere que o medicamento tranilcipromina, ou TCP, pode reverter os efeitos da doença genética hereditária.

A descoberta pode também conduzir a outros tratamentos para a doença, que causa deformações nas células vermelhas do sangue e provoca dano vascular e morte prematura.

No novo artigo, os pesquisadores descreveram um grande esforço para testar o efeito de TCP na produção de uma forma particular de hemoglobina, a proteína-chave que permite que as células vermelhas do sangue transportem oxigênio.

A droga age sobre uma molécula dentro de células vermelhas do sangue chamada LSD1, que está envolvida no bloqueio da produção da forma fetal da hemoglobina. A equipe concentrou sua atenção na importância de LSD1 como um alvo de drogas depois de muitos anos de pesquisa.

Então, eles pesquisadoram para encontrar drogas que atuam sobre LSD1. Assim eles descobriram TCP, que desde 1960 tem sido usada para tratar a depressão grave.

Eles mostraram que TCP bloqueia LSD1 e impulsiona a produção de hemoglobina fetal, compensando o impacto da forma "adulta" anormal de hemoglobina que os doentes falciformes produzem.

"Esta é a primeira vez que a síntese de hemoglobina fetal foi reativada, tanto em células sanguíneas humanas quanto em ratos", afirma o autor sênior Doug Engel.

Os resultados abrem portas para um ensaio clínico que já sendo planejado para pacientes adultos que têm a condição.

Veja mais detalhes sobre esta pesquisa (em inglês).

Fonte: Isaude.net