Ciência e Tecnologia
20.02.2013

Nova abordagem terapêutica acelera cicatrização e cura de feridas

Estratégia, que tira vantagem da capacidade do próprio corpo para curar-se, pode tratar, por exemplo, pacientes diabéticos

Pesquisadores da UCLA, nos EUA, desenvolveram uma abordagem terapêutica capaz de acelerar a cicatrização e a cura de feridas.

A estratégia consiste em tirar vantagem da capacidade do próprio corpo para curar-se através do desenvolvimento de novos bio-imitadores terapêuticos que poderiam ser usados para tratar a pele ferida.

Entre os principais agentes envolvidos na cicatrização natural está uma molécula de sinalização conhecida como fator de crescimento de fibroblastos básico, ou bFGF, secretada pelas células para desencadear os processos que estão envolvidos na cura, bem como no desenvolvimento embrionário, regeneração dos tecidos, regeneração óssea , no desenvolvimento e na manutenção do sistema nervoso, e na renovação das células estaminais.FGF tem sido amplamente investigada como uma ferramenta que os médicos poderiam usar para promover ou acelerar esses processos, mas sua instabilidade fora do corpo tem sido um obstáculo significativo ao seu uso generalizado.

Agora, Heather Maynard e sua equipe descobriram como estabilizar o bFGF com base no princípio da mímica. Baseando-se na capacidade do fator de crescimento para se ligar à heparina, açúcar complexo que ocorre naturalmente na superfície das células, a equipe sintetizou um polímero que imita a estrutura de heparina. Quando ligado ao bFGF, o novo polímero torna a proteína estável ao estresse que normalmente a inativam, tornando-a um candidato mais adequado para aplicações médicas.

Nossa capacidade de curar das feridas é essencial para a nossa sobrevivência. Quando esses processos naturais de cura são comprometidos, ferimentos graves podem levar a infecções e outros problemas de saúde. No entanto, apesar da necessidade de curativos que possam estimular o organismo a curar as feridas, muito poucos são eficazes.

" Essa necessidade clínica muito importante é a motivação por trás de nossa pesquisa", afirma Maynard.

A importância do fator de crescimento de fibroblastos foi reconhecida em 1973, quando biólogo Hugo Armelin descobriu que este produto químico extraído da glândula pituitária, levava as células a se dividirem com sucesso. Desde então, os investigadores têm aplicado o fator de crescimento de fibroblastos em feridas, mas os tratamentos não têm sido muito eficazes. O que os cientistas agora reconhecem, Maynard disse, é que estes fatores de crescimento normalmente perdem rapidamente sua atividade durante o armazenamento.

Sabendo que outras biomoléculas chave foram estabilizadas antes com a ajuda de polímeros, Maynard e sua equipe desenvolveram uma estratégia para manter a atividade de bFGF. O novo polímero, p (SS-co-PEGMA), mimetiza a capacidade natural da heparina para estabilizar o fator de crescimento.

Depois de mostrar que p (SS-co-PEGMA) não é tóxico para as células humanas importantes na cicatrização de feridas, eles utilizaram o polímero para se unir a bFGF e demonstraram que podiam manter o fator de crescimento ativo fora do corpo durante períodos de tempo prolongados, mesmo depois de ser exposto ao calor, frio e a condições ácidas, como encontradas no ambiente da ferida.

O avanço é um passo importante para a utilização de fatores de crescimento para a terapia. A capacidade de estabilizar bFGF significa que ele pode ser, potencialmente, armazenado, transportado e disponibilizado para uso por médicos e doentes, em qualquer momento e em qualquer lugar.

O grupo está testando seu novo material em conjunto com dermatologistas e está pesquisando maneiras de estabilizar outras proteínas envolvidas na cicatrização de feridas e de maneiras a tornar bFGF mais ativo.

"Este conjugado bFGF-polímero estável também podem ser útil em outras doenças além da cicatrização de feridas, por exemplo, reparação de corda vocal, reparação e regeneração do osso cardíaco. De modo geral, acreditamos que esta ideia de criar polímeros que imitam estabilizadores naturais é útil em uma ampla gama de campos", conclui Maynard.

A pesquisa foi publicada na revista Nature Chemistry.

Fonte: Isaude.net