Saúde Pública
20.02.2013

Estudo revela influência do consumo de álcool em acidentes de trânsito

Levantamento aponta que uma em cada cinco vítimas de trânsito atendidas nos prontos-socorros ingeriu bebida alcoólica

Foto: Erasmo Salomão/ASCOM/MS
Ministro Padilha apresenta dados sobre violência associada ao uso do álcool, no auditório Emílio Ribas do Ministério da Saúde, Brasília.
Ministro Padilha apresenta dados sobre violência associada ao uso do álcool, no auditório Emílio Ribas do Ministério da Saúde, Brasília.

Estudos do projeto VIVA (Vigilância de Violência e Acidentes), do Ministério da Saúde, em 71 hospitais que realizam atendimentos de urgência e emergência pelo SUS, revelam que uma em cada cinco vítimas de trânsito atendidas nos prontos-socorros brasileiros, ingeriu bebida alcoólica. As principais vítimas são homens com idade entre 20 e 39 anos. O estudo também mostra que 49% das pessoas que sofreram algum tipo de agressão consumiram bebida alcoólica.

O levantamento revela que entre as pessoas envolvidas em acidentes de trânsito, 22,3% dos condutores, 21,4% dos pedestres e 17,7% dos passageiros apresentavam sinais de embriaguez ou confirmaram consumo de álcool. Entre os atendimentos por acidentes, a faixa etária mais prevalente foi a de 20 a 39 anos (39,3%).

Nesta mesma faixa etária estão as vítimas mais acometidas por agressões e representam 56% dos casos. Em 2011, 28.352 homens com idade entre 20 a 39 anos foram assassinados e 16.460 perderam a vida no trânsito, o que corresponde a quase metade de óbitos registrados nesta faixa etária, 31,5% e 18,3%, respectivamente.

Foram ouvidas 47 mil pessoas em todas as capitais e no Distrito Federal. Os dados foram coletados em 2011 e analisados no ano passado e apresentados nesta terça-feira(19) pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha, e o ministro das Cidades em exercício, Alexandre Cordeiro Macedo, em Brasília.

Padilha reforçou a importância de se obter informações qualificadas em saúde para que as ações de prevenção e de intervenção sejam cada vez mais eficientes. "Estas informações têm papel decisivo para que tenhamos, nós e todos os demais órgãos federais, estaduais e municipais, mais segurança para agir. Também vamos utilizá-las em nossas campanhas de conscientização de motoristas, passageiros e pedestres", ressaltou.

Fonte: Isaude.net