Saúde Pública
08.02.2013

Alto índice de Hepatite B no Amazonas estimula estudos científicos sobre o HBV

Segundo pesquisa, doadores de sangue não sabem que estão infectados pelos vírus porque não identificam os sintomas

Foto: Marcos Santos
Objetivo do estudo é a 'Avaliação do perfil celular, humoral e molecular em doadores de sangue com sorologia reativa ao vírus da hepatite B
Objetivo do estudo é a 'Avaliação do perfil celular, humoral e molecular em doadores de sangue com sorologia reativa ao vírus da hepatite B"

Um estudo que avalia a reação do organismo de doadores de sangue infectados pelo vírus da hepatite B, visa auxiliar a comunidade científica a diagnosticar e identificar as características dos pacientes no Amazonas. O estudo 'Avaliação do perfil celular, humoral e molecular em doadores de sangue com sorologia reativa ao vírus da hepatite B (HBV) na cidade de Manaus', é desenvolvido e coordenado pela professora mestre em Doenças Tropicais pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Laura Maia.

A coordenadora da pesquisa destacou que o Amazonas possui um alto índice de casos de Hepatite B. Segundo Maia, os doadores de sangue geralmente não sabem que estão infectados pelo vírus da doença, pois não conseguem identificar os sintomas.

" O estudo inicia após o levantamento realizado pela sorologia da Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (Hemoam) que identifica quais os pacientes estão infectados pelo vírus. Depois que o paciente é informado sobre a doença, o nosso grupo explica o estudo e a importância da participação dele para o desenvolvimento da pesquisa" , explicou Laura Maia.

De acordo com a pesquisadora, existem dois tipos de células (Linfócitos CD4 e CD8) que devem estar trabalhando juntas para eliminar o vírus da hepatite B. Quando a presença da célula CD8 é maior, ela mata o vírus eliminando-o do organismo. Porém, quando a outra célula, está maior, a tendência é que essa pessoa se torne um paciente crônico de hepatite B.

Até 2016, o grupo de pesquisadores formado por três estudantes das áreas de Medicina e Biomedicina que fazem parte do Programa de Apoio à Iniciação Científica do Amazonas (Paic-AM), irá concluir o trabalho onde será possível elaborar um diagnóstico e entender como o doador está lidando e/ou respondendo ao vírus da hepatite B.

Com informações da Fapeam

Fonte: Isaude.net