Geral
24.01.2013

Combinação de medicamentos é mais eficaz no tratamento do câncer de pâncreas

Abraxane mais gemcitabina prolonga sobrevivência de pacientes com a doença em fase final em comparação ao tratamento padrão

Foto: TGen
Dr. Daniel Von Hoff, pesquisador envolvido no estudo
Dr. Daniel Von Hoff, pesquisador envolvido no estudo

Cientistas do Translational Genomics Research Institute, nos EUA, descobriram que uma combinação de dois medicamentos é mais eficaz para o tratamento do câncer de pâncreas.

Ensaios clínicos de Fase II mostraram que a terapia utilizando Abraxane (nab-paclitaxel) mais gemcitabina prolonga a sobrevivência de pacientes com a doença em fase final em comparação ao tratamento padrão.

Os resultados indicam que Abraxane mais gemcitabina foi bem tolerada e resultou em resultados clinicamente significativos em comparação com gemcitabina sozinho, o padrão atual de tratamento.

"Estamos em êxtase que este ensaio clínico de Abraxane mais gemcitabina tenha melhorado a sobrevida de pacientes com câncer pancreático em estágio IV. Isso demonstra mais uma vez que a medicina baseada em ciências laboratoriais pode fazer a diferença para os pacientes", afirma o investigador principal Daniel Von Hoff.

O estudo atual é o maior já concluído sobre o câncer de pâncreas avançado, totalizando mais de 800 pacientes. Os resultados do estudo mostraram um aumento de 59% nas taxas de sobrevivência mediana. A taxa de sobrevivência de dois anos para este câncer é desprezível, inferior a 4%, mas ela mais que dobrou com a combinação nab-paclitaxel/gemcitabine.

O estudo mostrou uma melhora significativa entre alguns dos pacientes mais graves, incluindo aqueles com metástases. Significativamente, não houve aumento na toxicidade com risco de vida. Outras combinações de drogas que demonstraram benefícios têm sido limitadas pela toxicidade.

Fonte: Isaude.net