Foto Saúde
21.01.2013

Movimentos sociais protestam contra medida que prevê internações compulsórias

Para defensores dos direitos humanos, iniciativa seria mais eficiente se houvesse reforço da política de atenção psicossocial

Foto: Marcelo Camargo/ABr
Ato aconteceu em frente ao Cratod, centro da capital paulista. Movimento protesta contra medida que prevê internações compulsórias
Ato aconteceu em frente ao Cratod, centro da capital paulista. Movimento protesta contra medida que prevê internações compulsórias

Movimentos sociais fazem na manhã desta segunda-feira (21) um ato em frente ao Centro de Referência de Álcool, Tabaco e outras Drogas (Cratod), no centro da capital paulista, para protestar contra a medida do governo estadual que pretende tornar mais ágeis as medidas de internação compulsória ou involuntária de dependentes químicos em São Paulo. Para as organizações ligadas à defesa dos direitos humanos e à luta antimanicomial, a iniciativa seria mais eficiente, na verdade, se houvesse o reforço da política de atenção psicossocial.

" Estão começando do fim e não do começo. Hoje, se tiver uma situação de internação involuntária na Cidade Tiradentes, as mães vão aonde? Vir de lá até aqui [no Cratod]? O que precisamos é ter uma assistência social democrática, universal e ao alcance dessas famílias" , explicou o padre Júlio Lancelloti, membro da Pastoral de Rua da Arquidiocese de São Paulo. Ele defende a instalação de Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (Caps AD) em todos os bairros da cidade.

A novidade da medida que começa a valer hoje é a parceria entre profissionais de saúde da rede estadual, Ministério Público e Tribunal de Justiça de São Paulo. Será instalado no próprio Cratod um plantão diário, das 9h às 13h, para agilizar os processos de internação involuntária ou compulsória de dependentes químicos, especialmente daqueles que frequentam a Cracolândia, na região central

De acordo com a secretária da Justiça e da Defesa da Cidadania, Eloisa de Sousa Arruda, estão sendo respeitados os protocolos da Organização Mundial de Saúde (OMS), assim como de direitos humanos.

Fonte: AGÊNCIA BRASIL