Geral
17.01.2013

Exposição a luz na gravidez permite desenvolvimento normal do olho do bebê

Estudo fornece novo entendimento sobre o desenvolvimento fetal da retina e de doenças oculares causadas por desordens vasculares

A luz que passa através do corpo de uma mulher grávida e chega ao útero tem um papel importante no desenvolvimento do olho dos bebês. É o que revela estudo de pesquisadores do Cincinnati Children' s Hospital Medical Center, nos EUA.

A pesquisa, publicada na revista Nature, conclui que o olho, que depende de luz para ver, também precisa de luz para se desenvolver normalmente durante a gestação.

Os cientistas dizem que a descoberta inesperada oferece um novo entendimento básico sobre o desenvolvimento fetal do olho e doenças oculares causadas por desordens vasculares, em particular uma chamada retinopatia da prematuridade, que pode causar cegueira em bebês prematuros.

"Isso muda fundamentalmente nossa compreensão de como a retina se desenvolve. Nós identificamos uma via de resposta à luz que controla o número de neurônios da retina. Isto tem efeitos sobre o desenvolvimento da vasculatura no olho e é importante porque várias doenças oculares principais são derivadas de condições vasculares", afirma o coautor Richard Lang.

Lang e seus colegas utilizaram modelos de ratos para a pesquisa. "Várias etapas do desenvolvimento do olho do rato ocorre após o nascimento. Por isso, nós sempre partimos do princípio de que se a luz desempenha um papel importante no desenvolvimento do olho, isso aconteceria apenas após o nascimento", afirma o pesquisador David Copenhagen.

No entanto, os pesquisadores descobriram que a ativação via de resposta à luz recentemente descoberta deve acontecer durante a gravidez para ativar cuidadosamente o desenvolvimento de um olho saudável.

Especificamente, eles dizem que é importante que um número suficiente de fótons entre no corpo da mãe na gestação tardia, ou cerca de 16 dias em uma gravidez de um rato.

Os pesquisadores também se surpreenderam ao descobrir que os fótons de luz ativam uma proteína chamada melanopsina diretamente no feto, para ajudar a iniciar o desenvolvimento normal dos vasos sanguíneos e neurônios da retina no olho.

A equipe realizou vários experimentos em modelos de ratos de laboratório, que lhes permitiram identificar componentes específicos da via de resposta à luz.

Os testes mostraram que fêmeas de ratos que passaram o período de gestação em completa escuridão tiveram bebês com o desenvolvimento do olho alterado.

A equipe vai continuar a estudar a forma como a via de resposta à luz pode influenciar a susceptibilidade de crianças prematuras à retinopatia da prematuridade, e também estar relacionada a outras doenças do olho.

Fonte: Isaude.net