Saúde Pública
11.01.2013

Com aumento de enchentes, Paraná reforça alerta para casos de leptospirose

Diversas cidades do estado registraram enchentes nos últimos dias, o que aumenta o risco de contaminação pela doença

Foto: ANPr
Com as chuvas, a urina dos ratos se mistura à lama, água de valetas, lagoas, cavas e enchentes, potencializando o risco de infecção
Com as chuvas, a urina dos ratos se mistura à lama, água de valetas, lagoas, cavas e enchentes, potencializando o risco de infecção

A Secretaria de Estado da Saúde do Paraná enviou um alerta aos municípios em relação ao aumento na ocorrência de casos de leptospirose neste período de chuvas de verão. Diversas cidades do Paraná registraram enchentes nos últimos dias, o que aumenta o risco de contaminação por leptospirose, uma doença causada por uma bactéria presente na urina de ratos e ratazanas.

Com as chuvas, a urina dos ratos se mistura à lama, água de valetas, lagoas, cavas e enchentes, potencializando o risco de infecção, visto que a bactéria penetra no corpo humano através de pequenos ferimentos na pele ou pelo contato com a água contaminada por um grande período.

Segundo a coordenadora da divisão de Zoonoses e Intoxicações da Secretaria da Saúde, Giselia Burigo Rúbio, o alerta serve para que os profissionais de saúde fiquem atentos aos sintomas do paciente que dá entrada no serviço de saúde. " Os sintomas da leptospirose são parecidos com o de outras doenças como a gripe e a dengue, por isso é preciso levar em conta o histórico de chuvas e se houve outros casos de leptospirose na região" , explicou.

Embora 90% dos casos tenham evolução satisfatória, se não tratada de forma correta, a doença pode levar à morte. Os primeiros sintomas da doença são febre alta; mal-estar; dores de cabeça constantes e intensas; dores pelo corpo, principalmente na panturrilha; cansaço e calafrios. Também são frequentes dores abdominais, náuseas, vômitos, diarreia e desidratação.

"É comum ainda que os olhos fiquem amarelados. Em algumas pessoas os sintomas reaparecem após dois ou três dias de aparente melhora, podendo evoluir para um quadro grave de insuficiência renal, respiratório e hemorrágico" , disse Giselia.

Após a infecção, o período de incubação da doença varia de sete a 14 dias após o contato com a água contaminada. A confirmação da doença só é possível através de exames laboratoriais realizados uma semana após o início dos sintomas.

Mortes

Em 2012, 201 casos e 20 óbitos por leptospirose foram confirmados em todo o Paraná, com uma letalidade de 10%. A situação foi mais preocupante nas regiões do Litoral, com 10 casos e duas mortes; Metropolitana de Curitiba, com 120 casos e 16 mortes; Guarapuava, cinco casos e uma morte; e Francisco Beltrão, oito casos e uma morte. Já no ano de 2011, o Paraná registrou 432 casos da doença e 55 óbitos, com índice de letalidade próximo a 13%.

Fonte: Isaude.net