Geral
16.12.2012

Cientistas russos descobrem substâncias antibióticas na pele de sapo marrom

Peptídeos podem ser potencialmente úteis para a prevenção de estirpes bacterianas patogênicas e resistentes a medicamentos

Foto: Richard Bartz
Sapo da espécie Rana temporaria
Sapo da espécie Rana temporaria

Cientistas da Moscow State University, na Rússia, identificaram substâncias com potenciais antibióticos na pele do sapo da espécie Rana temporaria, característico da Rússia.

O estudo foi publicado no Journal ACS of Proteome Research.

O pesquisador Albert T. Lebedev e seus colegas explicam que os anfíbios secretam substâncias antimicrobianas chamadas peptídeos através da pele. Estes compostos agem como uma primeira linha de defesa contra bactérias e outros microorganismos que se desenvolvem em locais úmidos onde as rãs, sapos, salamandras e outros anfíbios vivem.

Estudo anterior identificou 21 substâncias com atividade antibiótica e outros potenciais medicinal.

A equipe de Lebedev focou em encontrar mais dessas substâncias com potenciais médicos.

Eles usaram uma técnica de laboratório sensível para expandir a lista de tais substâncias na pele das rãs, identificando 76 substâncias adicionais desse tipo.

Testes de laboratório mostraram que algumas das substâncias têm potencial para combater infecções pela Salmonella e Staphylococcus, assim como alguns medicamentos antibióticos prescritos. "Esses peptídeos podem ser potencialmente úteis para a prevenção de ambas estirpes bacterianas patogênicas e resistentes", concluem os cientistas.

Fonte: Isaude.net