Geral
27.11.2012

Exposição à poluição do ar duplica risco de autismo em crianças

Pesquisa sugere que exposição à poluição do ar no útero e no primeiro ano de vida pode ter efeitos neurológicos duradouros

Foto: Stock Photo
Exposição à poluição do ar no útero ou durante o primeiro ano de vida aumenta chances de autismo infantil.
Exposição à poluição do ar no útero ou durante o primeiro ano de vida aumenta chances de autismo infantil.

Viver perto de uma rua movimentada pode dobrar o risco de autismo infantil, de acordo com cientistas da University of Southern California, nos EUA.

A pesquisa sugere que a exposição à poluição do ar no útero ou durante o primeiro ano de vida foi associada a um aumento dramático nas chances de uma criança ter o transtorno.

Os resultados foram publicados na revista Archives of General Psychiatry.

A equipe analisou dados de 279 crianças afetadas pelo autismo e os comparou com 245 crianças sem autismo pareadas por idade.

Registros de poluição do ar da Environmental Protection Agency dos EUA foram usados para estimar a exposição ao dióxido de azoto e pequenas partículas de fuligem, ambos produzidos de escapamentos de veículos a motor, no endereço das mães.

"Este trabalho tem amplas implicações na saúde pública. Sabemos há muito tempo que a poluição do ar é ruim para os pulmões e, especialmente, para as crianças. Estamos começando a entender como a poluição do ar pode afetar também o cérebro", afirma a pesquisadora Heather Volk.

Volk e sua equipe avaliaram uma série de fatores, incluindo a distância em que as pessoas viviam longe das estradas, os níveis de tráfego, fatores meteorológicos, como direção do vento, e informações dos monitores de qualidade do ar.

Eles estavam especialmente preocupados com a exposição a pequenas e finas partículas de poluição produzidas por motores a diesel conhecidas como PM10 e PM2.5.

Os resultados mostraram que crianças que vivem em casas com maior exposição à poluição do tráfego tinham três vezes mais chances de ter autismo do que aquelas com menos exposição.

A equipe encontrou ainda um aumento de duas vezes no risco de autismo entre crianças expostas no útero ou durante o primeiro ano de vida a níveis mais elevados de poluição do ar.

O estudo concluiu que, embora pesquisas adicionais para replicar essas descobertas sejam necessárias, as implicações de saúde pública desses achados são grandes porque a exposição à poluição do ar é comum e pode ter efeitos neurológicos duradouros.

USCKeck
USC Autism Study

Fonte: Isaude.net