Geral
21.11.2012

Adolescentes com pouca força muscular são mais propensos a ter morte precoce

Estudo sugere que efeito da força é similar a fatores de risco estabelecidos para morte prematura, como sobrepeso e hipertensão

Foto: Aleksandr Markin/Stock Photo
Jovens com maior força muscular tiveram risco 20 a 35% menor de morte prematura e de doenças cardiovasculares
Jovens com maior força muscular tiveram risco 20 a 35% menor de morte prematura e de doenças cardiovasculares

Cientistas do Karolinska Institutet, na Suécia, descobriram que pessoas com pouca força muscular na adolescência são mais propensos à morte prematura.

Os resultados sugerem que o efeito da força muscular é similar a fatores de risco bem estabelecidos para a morte precoce, como estar acima do peso ou ter pressão arterial elevada.

A equipe acredita que a força muscular reflete a condição física geral, o que explicaria a ligação com a morte prematura.

O índice elevado de massa corporal (IMC) e a pressão arterial elevada em uma idade jovem são conhecidos fatores de risco para a morte prematura, mas se a força muscular na infância ou na adolescência pode predizer a mortalidade não era tão claro.

Assim, a equipe liderada pelo professor Finn Ramussen acompanhou mais de um milhão de adolescentes suecos do sexo masculino com idades entre 16 a 19 anos durante um período de 24 anos.

Os participantes foram submetidos a três testes de força muscular no início do estudo (força de extensão do joelho, força de preensão manual e força de flexão do cotovelo). IMC e pressão arterial também foram medidos. A morte prematura foi definida como morte antes dos 55 anos.

Durante o período de acompanhamento, 26.145 participantes (2,3% do grupo) morreram. O suicídio foi a causa de morte mais comum (22,3%) em comparação com as doenças cardiovasculares (7,8%) ou câncer (14,9%).

Os pesquisadores descobriram que a força muscular elevada foi associada a um risco de 20 a 35% menor de morte prematura e também de doenças cardiovasculares, de forma independente do IMC e da pressão arterial.

Adolescentes mais fortes também tiveram um risco 20 a 30% menor de morte prematura por suicídio e foram até 65% menos prováveis de ter qualquer diagnóstico psiquiátrico, como esquizofrenia e transtornos de humor.

Os resultados sugerem que os indivíduos fisicamente mais fracos podem ser mais mentalmente vulneráveis, afirmam os autores.

Em contraste, os adolescentes do sexo masculino com o menor nível de força muscular mostraram maior mortalidade por todas as causas, e também a maior mortalidade por doença cardiovascular e suicídio antes dos 55 anos.

Os autores concluem que a baixa força muscular na adolescência "é um fator de risco para as principais causas de morte em adultos jovens, como o suicídio e doenças cardiovasculares."

Segundo eles, o tamanho do efeito destas associações foi semelhante ao de fatores de risco clássicos, como índice de massa corporal e pressão arterial.

A equipe afirma que o estudo apoia a necessidade de atividade física regular na infância e adolescência, e também sugere que testes de força muscular, de força de preensão manual particularmente, poderiam ser usados com uma boa confiabilidade em quase qualquer lugar, incluindo clínicas, escolas e locais de trabalho.

O estudo foi publicado no British Medical Journal (BMJ).

Fonte: Isaude.net