Geral
09.11.2012

Estados do Sul reivindicam maior apoio federal no enfrentamento da gripe

Historicamente, a região concentra o maior número de casos e mortes em decorrência da doença no Brasil

Foto: SES/PR
Reunião realizada em Florianópolis para alinhar as estratégias de enfrentamento da gripe para 2013
Reunião realizada em Florianópolis para alinhar as estratégias de enfrentamento da gripe para 2013

Os secretários da saúde dos três estados do Sul se reuniram em Florianópolis (SC), nesta semana, para alinhar as estratégias de enfrentamento da gripe para 2013. Historicamente, a região concentra o maior número de casos e mortes em decorrência da doença no Brasil. O consenso dos três estados é que a região sul precisa ser vista como prioritária pelo governo federal em relação ao repasse de recursos, disponibilização de vacinas e medicamentos para o enfrentamento da gripe.

Esta é a segunda vez que os três estados se reúnem para tratar o tema. Na primeira reunião, em junho de 2011, foi elaborado um documento conjunto solicitando ao Ministério da Saúde que a campanha de vacinação de 2012 fosse antecipada e ampliada na região Sul. Contudo, o pedido não foi atendido.

Segundo o secretário da Saúde do Paraná, Michele Caputo Neto, um novo documento foi elaborado nesta quarta e unifica as novas reivindicações que serão levadas ao Ministério da Saúde no final de novembro. " Teremos uma reunião com o governo federal para tratar a questão da gripe. Nos unimos, pois achamos inaceitável que uma região que apresenta maior risco para epidemias da doença seja tratada da mesma forma que outras com menor risco" , disse.

Vacinação

O novo documento propõe a antecipação da vacinação para abril de 2013 e a priorização da região sul na distribuição dos lotes da vacina. Além disso, os três estados pediram mais doses da vacina para imunizar um número maior de pessoas, mantendo os grupos já atendidos - crianças (menores de dois anos), idosos (maiores de 60 anos), gestantes, população indígena, população prisional (penitenciárias) e profissionais de saúde que fazem atendimento a Influenza - e ampliando a novos grupos - crianças com idade entre 2 e 5 anos, doentes crônicos cadastrados em programas de saúde, todos os profissionais de saúde, população albergada, cuidadores e população prisional (delegacias).

Comunicação

Junto à vacinação, foi sugerido que houvesse uma campanha educativa nacional sobre a gripe. Ela seria direcionada tanto à população em geral, com informações sobre as medidas preventivas e formas de acesso ao tratamento, quanto aos profissionais de saúde, com embasamento técnico para os procedimentos indicados na assistência aos pacientes.

Tratamento

Já para a área de tratamento aos doentes, a proposta é consolidar as estratégias já adotadas pelo Paraná. Antes mesmo da recomendação do Ministério da Saúde, o Estado já disponibilizava o medicamento indicado para tratamento das síndromes gripais, o Oseltamivir (tamiflu), mesmo sem diagnóstico laboratorial. A medida acelera o tratamento e a recuperação de pacientes que apresentam sintomas característicos de gripe e evita que seu quadro se agrave.

O documento solicita ainda que o Ministério da Saúde forneça o Oseltamivir em quantidade suficiente para atender todos os casos suspeitos de gripe, inclusive em apresentações pediátricas. A intenção é disponibilizar o medicamento em unidades públicas e privadas estratégicas para que a população tenha acesso a ele 24 horas por dia.

Dados

Durante a reunião foram apresentados os novos números da gripe no Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Juntos, os três estados registraram 183 mortes por gripe A (H1N1) até o momento. O Paraná confirmou 40 mortes. Santa Catarina informou 76 mortes, já o Rio Grande do Sul teve 67 mortes.

De acordo com os dados, entre 60% e 80% dos óbitos foram de pessoas que tinham algum tipo de doença pré-existente, o que contribui para o agravamento dos problemas respiratórios.

Veja aqui o documento na íntegra.

Fonte: Isaude.net