Geral
04.11.2012

Brasil desenvolve "Sala Limpa" para análises de alumínio no sangue

Considerada a mais bem equipada do país, sala evitará que país continue importando produto para análise de outros países

Foto: Divulgação/Cetec
Processo, realizado por meio do Laboratório de Traços Metálicos, mais conhecido como
Processo, realizado por meio do Laboratório de Traços Metálicos, mais conhecido como "Sala Limpa", é considerado fundamental para assegurar a confiabilidade dos resultados gerados por laboratórios de análises

A Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais (Cetec) concluirá, em aproximadamente um ano, a produção de material de referência para realização de análises que validam a presença de alumínio no sangue, o que evitará que o Brasil continue importando o produto de outros países. O processo, realizado por meio do Laboratório de Traços Metálicos, mais conhecido como " Sala Limpa" , vem sendo implementado desde 2010 e é considerado fundamental para assegurar a confiabilidade dos resultados gerados por laboratórios de análises.

A pesquisadora do Cetec, Olguita Ferreira, explica que, no Brasil, não existe material de referência para realização de análises de alumínio em sangue e a importação é onerosa e muito difícil devido ao transporte de material biológico. Daí a importância da " Sala Limpa" .

A Sala Limpa é considerada a mais bem equipada do Brasil e uma referência na análise dos produtos para hemodiálise. Entre 2008 e 2012, o número de clientes que demandam serviços do Cetec aumentou 90%, saltando de 107 para 204. Entre os clientes estão centros de terapia renal substitutiva, empresas produtoras de soluções para hemodiálise e pacientes em tratamento de hemodiálise.

" Realizamos análises para centros de diálise em hospitais das redes pública e particular, do Amazonas ao Rio Grande do Sul" , conta a pesquisadora. Segundo ela, o alumínio, quando presente em nível elevado no sangue, pode causar doenças ósseas, problemas de crescimento e até mesmo demência.

No laboratório, também é realizado o controle de contaminação de análises nas áreas de alimentos, meio ambiente, produção industrial e eletroeletrônica. Os ensaios de metais em água das principais bacias hidrográficas que abastecem Minas Gerais também é analisada na Sala Limpa.

Controle rígido do ambiente

A Sala Limpa é dividida em quatro ambientes interligados, que totalizam uma área de 90 metros quadrados. O conceito desse tipo de laboratório é que ele seja livre de partículas externas para que o resultado das análises seja o mais confiável possível. Para isso, é realizado um controle rigoroso dos materiais que são utilizados no local. As amostras a serem analisadas, por exemplo, são coletadas em recipientes previamente descontaminados, fornecidos pelo Cetec.

Os cuidados com o laboratório, contudo, são muito mais complexos do que apenas a limpeza do material usado. Para trabalhar na Sala Limpa, os nove pesquisadores do local cumprem uma série de exigências, como não usar cosméticos ou fumar. O tabagismo é proibido na equipe, já que o fumante emite partículas até três horas após o consumo do cigarro.

Pessoas mais inquietas também não são ideais para o trabalho dentro desse laboratório especial. " Uma pessoa muito agitada movimenta partículas. Para se ter ideia, sentando e levantando, uma pessoa libera 2,5 milhões de partículas por minuto. Sentado, sem movimento, 100 mil; caminhando a 3km/h, 5 milhões de partículas" , explica a coordenadora da Sala Limpa, Olguita Rocha.

Os pesquisadores também não podem usar acessórios pessoais, como brincos, relógios, adornos e sapatos comuns dentro da sala. O uniforme especial utilizado funciona como um filtro do corpo, que impede a dispersão de partículas. O traje é limpo em uma lavanderia instalada na ante-sala do laboratório. Os profissionais utilizam um uniforme específico para cada um dos quatro módulos da sala, que possuem diferentes níveis de retenção de partículas. No módulo de maior controle de contaminação, a equipe trabalha com apenas os olhos e nariz descobertos.

Fonte: Isaude.net