Geral
23.10.2012

Ministério da Saúde vai implantar teste rápido para tuberculose em 2013

Testado experimentalmente em Manaus e no Rio de Janeiro, exame é capaz de diagnosticar a doença em duas horas

Teste criado para a identificação rápida da tuberculose será oferecido no Sistema Único de Saúde até o segundo semestre do próximo ano. O GeneXpert testado experimentalmente em Manaus (AM) e no Rio de Janeiro (RJ) é capaz de diagnosticar a doença em duas horas e com risco mínimo de contaminação.

Segundo informou o Ministério da Saúde, nesta semana, o teste identifica também de forma mais rápida e com maior precisão resistência ou não à rifampicina, que é o antibiótico usado no tratamento da tuberculose, o que facilita a prescrição também mais ágil e correta do tratamento da doença.

Ainda de acordo com a pasta, depois de Manaus e do Rio de Janeiro onde começou no último mês de fevereiro, com um total de 13.307 testes realizados o projeto segue para as demais capitais do país.

" Quanto mais rápido é o diagnóstico da tuberculose, mais rápida também é a cura e menor é o risco de sequela ao paciente e de disseminação da doença" , explica o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Avaliação

Dos exames feitos em Manaus e no Rio, 14,2% deram positivos. A avaliação preliminar dos testes revelou que, além do diagnóstico mais rápido da doença, foram identificados também mais rapidamente casos de resistência à rifampicina e uma grande aceitabilidade do método pelos profissionais de saúde. No exame tradicional (a baciloscopia do escarro), o resultado leva 24 horas e outros 60 dias para a análise da cultura de identificação de micobactérias. " O GeneXpert é totalmente automatizado. É uma máquina que identifica fragmentos do DNA da micobactéria no escarro. Por isso, ele é bem mais seguro para o profissional de saúde" , destaca o ministro.

Sensibilidade e Especificidade

No exame tradicional, são necessários 60 dias para realizar o cultivo da micobactéria e outros 42 dias para se obter o diagnóstico de especificidade e sensibilidade (à rifampicina), que não ultrapassam 60% de precisão. Com o novo teste, os índices de sensibilidade e especificidade chegam a 92,5% e 99%, respectivamente. " O que diminui radicalmente a possibilidade de um resultado falso positivo" , observa Alexandre Padilha.

Fonte: Isaude.net