Geral
22.10.2012

Inédito no Brasil, centro de trauma do idoso realiza cirurgias em até 48 horas

Serviço tido como referência nacional no atendimento a 3ª idade vai receber pacientes referenciados de hospitais estaduais do Rio

Foto: Marcelo Horn/SECOM RJ
Centro Estadual de Trauma do Idoso (CETI).
Centro Estadual de Trauma do Idoso (CETI).

Pacientes idosos do Rio de Janeiro passaram a contar, a partir desta segunda-feira (22), com o Centro Estadual do Trauma do Idoso (CETI). Inédito no país, o serviço torna o estado referência nacional no atendimento desses pacientes. O modelo do serviço foi elaborado com base em pesquisas científicas internacionais, que constataram que se operado em até 48h, o idoso vítima de trauma tem mais chances de voltar a ter uma vida normal, com sua locomoção mantida.

O centro vai receber pacientes referenciados de outros hospitais estaduais e as cirurgias serão realizadas em até 48 horas, o chamado tempo de ouro para o sucesso de todo processo. A ideia é estender progressivamente para outras unidades de emergência da rede pública, abrangendo a capital e a Região Metropolitana.

Segundo informou a Secretaria Estadual de Saúde, o protocolo para este atendimento referenciado foi criado para ser seguido com rigor e, assim, garantir o sucesso das cirurgias e recuperação do paciente. Para isso, o serviço contará com quatro ambulâncias exclusivas para fazer essa remoção rápida entre os hospitais. A intenção é diminuir o tempo médio de internação dos atuais 10 dias para quatro dias.

Acompanhamento pós-cirúrgico

Os pacientes operados no Centro de Trauma do Idoso terão dois destinos após a cirurgia: a alta médica ou a continuidade de recuperação em outra unidade. Os pacientes que estiverem aptos a receber alta no prazo definido pelo protocolo, serão posteriormente acompanhados por equipe multidisciplinar em consultas de retorno no próprio CTI até a alta ambulatorial. Também está sendo estudo, numa segunda fase do projeto, a possibilidade de atendimento home care - em casa - aos pacientes.

Já os pacientes que não puderem receber alta após a cirurgia, serão transferidos para continuidade de tratamento no Hospital Estadual Eduardo Rabello, em Campo Grande, referência no estado no tratamento de médio prazo em idosos.

Fonte: Isaude.net