Geral
24.09.2012

Equipe australiana descobre nova maneira de proteger a fertilidade feminina

Bloqueio da atividade de duas proteínas oferece esperança para mulheres que enfrentam terapia anticâncer ou menopausa precoce

Reprodução: Walter and Eliza Hall Institute
Professora Clare Scott (a esq.), durante processo de pesquisa em laboratório
Professora Clare Scott (a esq.), durante processo de pesquisa em laboratório

Cientistas do Walter e Eliza Hall Institute, na Austrália, identificaram uma nova maneira de proteger a fertilidade feminina. A pesquisa oferece esperança para mulheres cuja fertilidade pode ser comprometida pelos efeitos colaterais da terapia do câncer ou por menopausa precoce.

Os pesquisadores fizeram a descoberta enquanto investigavam como os óvulos morrem. Eles notaram que duas proteínas específicas, chamadas de PUMA e NOXA, causam a morte das células dos óvulos nos ovários. Segundo os cientistas, o bloqueio da atividade dessas duas proteínas pode levar a novas estratégias que protegem a fertilidade das mulheres.

"A pesquisa mostrou que quando o DNA dos óvulos está danificado, como após a exposição à radiação ou quimioterapia, PUMA e NOXA provocam a morte dos óvulos danificados. Esta reação faz com que muitos pacientes com câncer do sexo feminino se tornem inférteis", afirma a pesquisadora Clare Scott.

Scott e seus colegas concentraram seus estudos nas células dos óvulos chamadas oócitos de folículos primordiais, que é a fonte de óvulos das mulheres durante toda a vida.

Eles mostraram que quando essas células produtoras de ovos estavam sem a proteína PUMA, elas não morreram após serem expostos à radioterapia. "Isso pode ser motivo de preocupação, porque queremos que os óvulos danificados morram e não produzam prole anormal", afirmam os autores.

A equipe então descobriu que as células não só sobrevivem sem a proteína, mas são capazes de reparar o dano ao DNA e poderiam ser ovuladas e fertilizadas, produzindo fetos saudáveis. Quando as células também não tinham a proteína NOXA, houve uma maior proteção contra a radiação.

"Estamos muito animados para ver fetos saudáveis podendo ser produzidos a partir dessas células. Isto significa que, no futuro, medicamentos que bloqueiam a função de PUMA poderiam ser usados para impedir a morte de células somáticas em doentes sujeitos a quimioterapia ou radioterapia. Os nossos resultados sugerem que isto pode manter a fertilidade das pacientes", conclui Scott.

WEHImovies
Cientistas identificam nova maneira de proteger a fertilidade feminina.

Fonte: Isaude.net