Geral
12.09.2012

Técnica cirúrgica promete corrigir casos de insucesso em operação de retina

Líquido pode ficar embaixo da retina e impedir recuperação da visão em 5% dos casos de cirurgias de deslocamento da membrana

Uma técnica cirúrgica oftalmológica inédita, desenvolvida na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), promete solucionar os casos operados de descolamento de retina que não obtiveram sucesso. Em aproximadamente 5% das cirurgias, um líquido usado como " ferramenta cirúrgica" , o perfluorocarbono, pode ficar embaixo da retina e impedir a recuperação da visão. Ao mesmo tempo em que drena esse resíduo, a nova técnica remove membranas que se proliferam na retina e prejudicam a capacidade visual desses pacientes.

Para o professor titular do departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina da UFMG, Márcio Nehemy, a técnica "é uma cirurgia minimamente invasiva, feita através de três microcortes na retina, de meio milímetro cada. Nós usamos pinças muito delicadas para retirada das membranas e agulhas finíssimas, com calibre semelhante a um fio de cabelo" , descreve.

A operação dura em média uma hora e meia e é feita sob anestesia local. No dia seguinte ao procedimento, o médico já pode ter uma ideia do resultado e a recuperação completa do paciente se dá progressivamente, ao longo de noventa dias.

Três pessoas já foram submetidas à cirurgia, com sucesso, no hospital São Geraldo, que integra o complexo do Hospital das Clínicas da UFMG. " Sem essa técnica, eles não teriam como ser recuperados" , afirma Nehemy.

Recentemente, o procedimento foi premiado na cerimônia de abertura do Euretina 2012, congresso europeu da área, no último dia 6 de setembro, em Milão, na Itália.

" O prêmio é muito significativo, porque nós idealizamos a técnica dentro da UFMG e tivemos reconhecimento da comunidade cientifica universal. Ela agora está acessível a outros médicos e esperamos que seja utilizada no mundo inteiro" .

Descolamento de retina

A retina é uma fina membrana que reveste o olho por dentro e contém as células fotosensíveis, que captam a imagem e a enviam para o cérebro. Quando está descolada, a retina deixa de funcionar. Para haver recuperação da visão, a retina deve ser recolocada na sua posição original, por meio de uma cirurgia. Em alguns casos, entretanto, ocorre a formação de membranas no interior do olho, o que diminui a possibilidade de se obter sucesso com as técnicas tradicionais. Líquidos residuais que permanecem abaixo da retina impedem também o seu funcionamento adequado.

Na maioria das vezes, o descolamento ocorre de forma espontânea, em razão do enfraquecimento da retina. O problema atinge cerca de 1% dos pacientes operados de catarata e pessoas que já nascem com predisposição genética, com uma retina mais fina. Indivíduos míopes também são mais vulneráveis. Já a principal causa externa é o trauma, como uma bolada ou um soco. Nestes casos, o risco é ainda maior quando há perfuração do olho.

Fonte: Isaude.net