Profissão Saúde
06.09.2012

Ressuscitação prolongada melhora chances de sobrevivência após parada cardíaca

Estudo revela que cerca de 15% dos pacientes que sobreviveram a infartos precisaram de pelo menos 30 minutos para se recuperar

Foto: Zoll
Vida de vítimas de infarto pode depender do tempo de ressuscitação cardíaca
Vida de vítimas de infarto pode depender do tempo de ressuscitação cardíaca

Pesquisadores da Universidade de Michigan, nos EUA, descobriram que prolongar o tempo de ressuscitação de pacientes que sofrem parada cardíaca aumenta a chance de sobrevivência.

O estudo revela que cerca de 15% dos pacientes que sobreviveram a infartos precisaram de pelo menos 30 minutos para se recuperar.

O trabalho é um dos primeiros a relacionar a duração dos esforços de ressuscitação com as taxas de sobrevivência.

Doentes com parada cardíaca são ressuscitados com sucesso depois de um curto período de tempo, cerca de 12 minutos, em média. Profissionais são muitas vezes relutantes em realizar mais tentativas de ressuscitação, aquelas que podem durar 30 minutos ou mais, porque se os pacientes não se recuperam logo após o início da parada cardíaca, o seu prognóstico é ruim.

Depois de analisar os dados nacionais para mais de 64 mil pacientes com parada cardíaca entre 2000 e 2008, os pesquisadores descobriram que, enquanto a maioria dos pacientes foram ressuscitados com sucesso após um curto período de tempo, cerca de 15% dos pacientes que sobreviveram necessitaram de pelo menos 30 minutos para conseguir se recuperar.

"Nossos resultados sugerem uma oportunidade para melhorar os cuidados nesta população de alto risco, por exemplo, uma padronização do tempo necessário para continuar as tentativas de reanimação antes de tomar decisões sobre parar os esforços", afirma o líder da pesquisa Zachary D. Goldberger.

A equipe ressalta, no entanto, que os resultados não podem identificar uma duração ideal para a ressuscitação de pacientes. Segundo eles, a pesquisa deve ser uma parte dos esforços voltados para melhorar a assistência aos pacientes com parada cardíaca.

"A duração de ressuscitação ideal para qualquer paciente continuará a ser uma decisão de momento com base em avaliação clínica cuidadosa. No geral, acreditamos que estes resultados representam uma oportunidade para melhorar o atendimento de reanimação", conclui um dos autores Steven L. Kronick.

Fonte: Isaude.net