Ciência e Tecnologia
05.09.2012

"Pesquisadores de câncer devem pensar como generais modernos"

O objetivo da nova estratégia é encontrar os mecanismos de comando, controle e comunicação do inimigo

Imagem: Eshel Ben-Jacob/Tel Aviv University
Ilustração mostra colônia de bactérias contém células pioneiras que abrem o caminho para a expansão das colônias do mesmo modo que as células cancerosas especializadas preparam a metástase
Ilustração mostra colônia de bactérias contém células pioneiras que abrem o caminho para a expansão das colônias do mesmo modo que as células cancerosas especializadas preparam a metástase

Artigo publicado na revista Trends desta semana indica que os pesquisadores de câncer pensem como generais modernos buscando encontrar os mecanismos de comando, controle e comunicação do inimigo. "É hora de declarar uma guerra cibernética contra o câncer", afirmam os pesquisadores.

Diante da crescente evidência de que as células cancerosas se comunicam, colaboram e até mesmo tomam decisões coletivas, biofísicos e pesquisadores de câncer da Universidade Rice (EUA), Universidade de Tel Aviv (Israel) e da Universidade Johns Hopkins (EUA) propuseram uma nova estratégia para combater a doença através de sua própria rede social.

"Precisamos ir além da noção de que o câncer é um conjunto aleatório de células", disse Herbert Levine, da Universidade de Rice. O levantamento reúne dezenas de descobertas recentes sobre o comportamento social das células cancerosas.

Eshel Ben-Jacob, também da Rice, afirmou que "o câncer é um inimigo sofisticado. Há evidências crescentes de que as células cancerosas usam comunicações avançadas em trabalhos conjuntos para escravizar as células normais, criar metástases, resistir às drogas e ao sistema imunológico."

De acordo com ele, alguns tipos de câncer parecem sentir quando as drogas da quimioterapia estão presentes, soando um alarme que faz com que as células ao longo de um tumor permaneçam num estado de dormência. Sinais semelhantes são usados após o fim do tratamento para e despertar estas mesmas células no interior do tumor. " Um dos caminhos seria quebrar este código de comunicação, usado para adormecer ou despertar as células. E este é apenas um exemplo. Temos outras possibilidades, incluindo o envio de sinais que induzam as células cancerosas a voltar-se contra si mesmas."

Outro destaque do estudo é a comparação entre os comportamentos comuns de bactérias e células de câncer, sugerindo que as bactérias podem servir como um modelo valioso para estudar o câncer, disse Donald Coffey, da Universidade Johns Hopkins . "Acreditamos que esta abordagem pode ser particularmente valiosa para investigar os problemas intratáveis como retorno da metástase e resistência a múltiplas drogas."

Fonte: Isaude.net