Profissão Saúde
22.08.2012

Trabalhadores da Fiocruz fazem doação coletiva de sangue durante greve no Rio

Doação coletiva de sangue foi uma das atividades de greve propostas pelo Sindicato dos Trabalhadores da Fiocruz nesta quarta

Foto: Fiocruz
Trabalhadores da Fiocruz reunidos em frente ao Hemorio para a doação coletiva de sangue
Trabalhadores da Fiocruz reunidos em frente ao Hemorio para a doação coletiva de sangue

Mais de cem pessoas, entre servidores e colaboradores da Fiocruz, participaram, nesta quarta-feira (22), de um ato solidário no Instituto Estadual de Hematologia Arthur de Siqueira Cavalcanti (Hemorio), no Rio de Janeiro. A doação coletiva de sangue foi uma das atividades de greve propostas pelo Sindicato dos Trabalhadores da Fiocruz (Asfoc-SN). Os trabalhadores distribuíram à população material informativo sobre suas reivindicações.

As atividades de greve prosseguem na quinta-feira (23), com manifestação na passarela 6 da Avenida Brasil, em frente à sede da Fundação, a partir das 7h30. No início da tarde, haverá uma assembleia geral na Escola Nacional de Saúde Públlica (Ensp), que buscará avaliar os resultados da reunião desta quarta-feira entre os representantes dos funcionários da Fiocruz e a Secretaria de Relações do Trabalho do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG).

A paralisação das atividades por tempo indeterminado começou no dia 6 deste mês, como parte do movimento que reivindica a valorização do servidor público, melhorias salariais e na carreira. O sindicato esclarece que desde o último reajuste concedido aos servidores da Fundação, em 2009, houve uma desvalorização dos salários de cerca de 20%, o que acarretaria três anos de perdas salariais.

Os serviços essenciais, como os atendimentos médicos e a produção de vacinas e medicamentos, dentre outros em andamento, estão mantidos durante o período de greve, obedecendo regimes de plantão acordados com as diversas unidades da Fiocruz.

Negociações

Funcionários da Fundação, em todo o país, fizeram paralisações progressivas a partir da última semana de junho - o último período foi nos dias 10, 11 e 12 de julho. O movimento dos servidores luta por avanços nos processos de negociação e a apresentação de propostas por parte do governo. Na pauta de reivindicações, estão: a busca por uma política salarial permanente com reposição inflacionária, a valorização do salário-base e incorporação das gratificações; paridade e integralidade entre ativos, aposentados e pensionistas; reajuste dos benefícios; definição da data-base em 1º de maio.

Com informações da Fiocruz

Fonte: Isaude.net