Geral
20.08.2012

Antioxidante do vinho tinto melhora mobilidade de pessoas mais velhas

Descoberta pode levar à criação de produtos naturais destinados a ajudar idosos a andarem melhor e sofrerem menos quedas

Foto: Yuri Arcurs/Foto Stock
Resveratrol presente no vinho tinto ajuda a melhorar equilíbrio e evitar quedas entre os idosos
Resveratrol presente no vinho tinto ajuda a melhorar equilíbrio e evitar quedas entre os idosos

Substância resveratrol presente no vinho tinto pode ajudar a melhorar a mobilidade e evitar quedas entre os idosos, de acordo com pesquisa apresentada no encontro anual da American Chemical Society.

A descoberta, com base em estudos de ratos de laboratório, pode levar ao desenvolvimento de produtos naturais destinados a ajudar as pessoas mais velhas a viverem mais seguras e de forma mais produtiva.

"Nosso estudo sugere que um composto natural como o resveratrol, que pode ser obtido através de suplementação dietética ou dieta em si, pode realmente diminuir algumas das deficiências motoras que são vistas em nossa população idosa. Aumentando assim a qualidade de vida de uma pessoa idosa e diminuindo o risco de hospitalização devido a escorregões e quedas", afirma a líder da pesquisa Jane E. Cavanaugh.

Cavanaugh nota que as quedas se tornam mais comuns com o avançar da idade e são a principal causa de lesão relacionada com morte entre as pessoas com mais de 65 anos. Estes problemas de mobilidade são particularmente comuns entre os idosos que têm a doença de Parkinson e outros distúrbios relacionados com a idade.

Enquanto as drogas podem ajudar a aliviar alguns dos problemas motores relacionados à doença de Parkinson, Cavanaugh observa que não existem tratamentos comparáveis para problemas de equilíbrio e caminhar em idosos saudáveis. Ela e seus colegas decidiram corrigir isso, com foco em compostos químicos naturais, como o resveratrol.

Estudos anteriores mostraram que o resveratrol, antioxidante encontrado no vinho tinto e frutas de cor escura, pode ajudar a reduzir a inflamação, colesterol, risco de doenças cardíacas e certos tipos de câncer e, talvez, tem alguns efeitos antienvelhecimento sobre o organismo.

Para determinar os efeitos sobre o equilíbrio e mobilidade, Cavanaugh e seus colegas alimentaram ratos de laboratório jovens e idosos com uma dieta contendo resveratrol por oito semanas.

Eles periodicamente testaram a capacidade dos roedores para se equilibrar e percorrer uma viga de aço, contando o número de vezes que cada rato deu um passo em falso.

Inicialmente, os ratos mais velhos tiveram mais dificuldade de manobra no obstáculo. Mas, após quatro semanas, os ratos mais velhos cometeram muito menos erros e estavam juntos com os ratos jovens.

Segundo os pesquisadores, uma causa possível para esse benefício é que o resveratrol atenua os danos causados por radicais livres de oxigênio e promovem a sobrevivência celular.

A equipe agora está investigando compostos sintéticos similares que imitam os efeitos do resveratrol e podem ser melhor absorvidos pelo organismo.

Fonte: Isaude.net