Geral
31.07.2012

Distrito Federal prepara estratégias de saúde para a Copa 2014

Segundo a Secretaria de Saúde, objetivo é avançar no processo de organização do Sistema Único de Saúde

A Secretaria de Saúde (SES) do Distrito Federal criou uma equipe especial para elaborar o Plano de Eventos de Massa, com representantes das subsecretarias de Atenção à Saúde e de Vigilância à Saúde. A tarefa do grupo é propor planos de assistência pré-hospitalar e hospitalar, além de estratégias de vigilância epidemiológica e sanitária para prevenir surtos e epidemias e preparar respostas imediatas às emergências durante a Copa 2014.

As ações fazem parte da Câmara Temática de Saúde, criada pelo Ministério da Saúde nas 12 cidades-sede do mundial para elaborar planos e campanhas preventivas. O objetivo, segundo a SES, é não somente criar investimento específico para a Copa, mas avançar no processo de organização do Sistema Único de Saúde (SUS).

O plano pré-hospitalar está em fase de conclusão e inclui o mapeamento dos serviços de urgência existentes na capital federal, com a identificação das unidades de referência para o atendimento aos turistas. Também está prevista a realização de cursos de capacitação dos profissionais que atuam na assistência pré-hospitalar e hospitalar da rede urgência e emergência e da vigilância à saúde. Já o plano hospitalar deve ficar pronto até dezembro.

Além disso, entre as principais medidas também estão a abertura de 12 novas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) em várias localidades do Distrito Federal e a construção de uma nova unidade de tratamento de vítimas de traumas no Hospital de Base, em Brasília, com 150 leitos clínicos e 50 UTIs.

Segundo a diretora de Urgência e Emergência da SES, Marinice Cabral Moraes, o plano está focado na organização do fluxo de atendimento. Para tanto, será criada uma nova central de regulação de urgência a partir de agosto. Atualmente, essa regulação é feita pelo Serviço de Atendimento de Urgência (Samu). "Precisamos qualificar as portas de entrada para funcionar em rede, com ênfase na classificação de risco", afirma.

Fonte: Isaude.net