Foto Saúde
31.07.2012

Projeto Sanar leva tratamento contra filariose à população de Pernambuco

Para 2012, expectativa é de que mais de 14 mil sejam tratados em Jaboatão dos Guararapes, na região metropolitana do Recife

Foto: SES/PE
Crianças durante ação do Projeto Sanar, Programa de Enfrentamento às Doenças Negligenciadas da Secretaria Estadual de Saúde (SES), em Jaboatão dos Guararapes
Crianças durante ação do Projeto Sanar, Programa de Enfrentamento às Doenças Negligenciadas da Secretaria Estadual de Saúde (SES), em Jaboatão dos Guararapes

Durante as próximas quatro semanas, mais de quatro mil pessoas receberão tratamento coletivo contra a filariose nas comunidades da Baixa da Colina e Alto da Colina em Jaboatão dos Guararapes, na região metropolitana do Recife (PE). O tratamento faz parte das ações do Projeto Sanar - Programa de Enfrentamento às Doenças Negligenciadas da Secretaria Estadual de Saúde (SES), em parceira com a prefeitura do município.

Além destas duas comunidades, também receberão o tratamento moradores das regiões de Retiro e Quitandinha. Em 2011, o cuidado coletivo em Jaboatão alcançou mais de 14 mil pessoas, em 2012 a meta é superar este número.

A ação consiste na entrega dos medicamentos para os moradores com idades entre 4 e 65 anos. A dosagem do remédio é calculada de acordo com o peso do paciente e toda a população local, independente de ter a doença, é tratada, com um quantitativo do medicamento dado anualmente, durante 5 anos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) preconiza o tratamento coletivo contra a filariose em localidades que atingem a prevalência de mais de 1% da população com a doença. No Brasil, somente a Região Metropolitana do Recife possui a transmissão ativa da doença.

Em 2010, Jaboatão dos Guararapes registrou 12 casos de filariose. Já em 2011, quando o Sanar começou a atuar no município, foi registrado apenas um caso da doença.

A filariose é transmitida pela picada de um mosquito e pode gerar deformidades nos membros inferiores, o que a faz ser conhecida também como elefantíase. O homem é o único hospedeiro do verme Wuchereria bancrofti. O exame para detectar a doença é conhecido como "fura-dedo", realizado à noite (a partir das 23h), quando as larvas estão nos vasos sanguineos periféricos.

Fonte: Isaude.net