Geral
24.07.2012

Especialista aponta maior participação das mulheres na compra de preservativos

Compra de preservativos é feita, na maioria das vezes, pelos homens, mas participação feminina tem aumentado

Um especialista brasileiro levou à Conferência Internacional sobre Aids iniciativas sobre o marketing social na promoção do uso de preservativos. O diretor no Brasil da DKT, empresa internacional que atua com ONGs e também no comércio de produtos para planejamento familiar, apresentou em Washington dois estudos de caso ligados à publicidade. Segundo Daniel Marun, a compra de preservativos é feita, na maioria das vezes, pelos homens, mas cresce o número de mulheres que tomam a iniciativa.

De Washington, o especialista explicou à Rádio ONU o papel da propaganda para ampliar a participação do público feminino nesse mercado.

"As mulheres hoje não têm mais tanto problema em ter na sua bolsa um preservativo. Portanto, elas estão tomando mais parte nessa situação. Nós acreditamos muito no envolvimento da mulher. Nós já veiculamos uma propaganda onde quem escolhia, quem tomava a frente para a escolha do preservativo era a mulher. Porque a gente acredita que dar esse poder para a mulher é mais uma forma de incentivar o uso e ampliar o acesso."

De acordo com Daniel Marun, a DKT está no Brasil há mais de 20 anos, promovendo o uso de preservativos e outros métodos de planejamento familiar a preços acessíveis.

As Nações Unidas participam da Conferência Internacional sobre Aids com representantes de várias agências, como Unicef, Unaids e OMS. Considerado o maior evento mundial sobre o tema, o encontro vai até sexta-feira (27).

Fonte: ONU