Profissão Saúde
24.07.2012

Cremesp institui exame obrigatório para recém-formados em medicina em SP

A| nova exigência vai tornar possível aos conselhos médicos avaliarem a qualidade dos cursos e da educação médica no estado

O Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp) anunciou, nesta quarta-feira (24), a exigência de exame obrigatório para recém-formados em medicina no estado. A partir deste ano, para obter o registro profissional, egressos dos cursos de medicina terão de apresentar declaração de realização do Exame do Cremesp. Segundo informou o órgão, o registro não será condicionado ao resultado, mas à participação na prova. A resolução vale para todos os formandos ainda não inscritos no Conselho.

O exame, segundo o presidente do Cremesp, Renato Azevedo, não impedirá a concessão do registro profissional a quem se formou e não obteve aprovação. No entanto, a avaliação passará a ser obrigatória para tornar possível aos Conselhos Médicos disporem de estatísticas confiáveis quanto à qualidade dos cursos e da educação oferecida aos médicos. De acordo com o conselhor, atualmente, em São Paulo, os profissionais já se submetem a um exame de conhecimentos. Este, no entanto, por ser facultativo, não tem registrado número significativo de formandos avaliados.

O presidente do Cremesp afirmou que o exame deve ser encarado como medida de proteção da sociedade, que tem o direito de contar com profissionais da saúde qualificados nos hospitais e clínicas. Ainda de acordo com Azevedo, muitas vezes os médicos chegam ao mercado despreparados e sem terem passado sequer por uma residência. Ele ainda chamou a atenção para o aumento vertiginoso no número de vagas em cursos de Medicina. " Muitos desses cursos apresentam corpo docente desqualificado e carência de bibliotecas, laboratórios e de hospitais-escola" , afirmou.

A resolução baixada pelo conselho instituindo a obrigatoriedade de os formandos em cursos de medicina se submeterem a um exame de conclusão do curso ganhou apoio da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no início desse mês. O presidente da OAB, Ophir Cavalcante, disse que a edição da Resolução instituindo o exame obrigatório funciona como uma resistência por parte da sociedade civil brasileira e da Medicina em defesa da vida. " Esse é o bem maior a ser preservado e defendido pelos médicos, assim como a OAB luta para contar com bons advogados, qualificados para a defesa de dois outro bens importantes: a liberdade e o patrimônio dos cidadãos" , acrescentou o presidente da OAB.

Veja na íntegra a nota da AMB e da APM sobre a obrigatoridade do exame

AMB e APM apoiam obrigatoriedade de avaliação de recém-graduados de medicina

Fonte: Isaude.net