Ciência e Tecnologia
06.07.2012

Ter o primeiro filho e casar afeta negativamente satisfação no trabalho

Estudo sugere ainda que insatisfação pode perdurar por até cinco anos e é consideravelmente mais forte entre mulheres

Eventos marcantes da vida pessoal como o casamento e o nascimento do primeiro filho têm um impacto significantemente negativo sobre a satisfação no trabalho. É o que aponta estudo conduzido na Universidade Kingston, no Reino Unido, que acompanhou os níveis de satisfação no trabalho de aproximadamente 10mil britânicos, entre 1991 e 2008.

Resultados mostram ainda que pouco antes do casamento e do nascimento do primeiro filho existe um "pico de felicidade" no trabalho, conforme as pessoas antecipam esses eventos de mudança de vida. "Muito frequentemente, a sensação em relação ao seu trabalho é determinada por fatores externos. Antes de um evento feliz, as pessoas podem experimentar maior satisfação no trabalho por causa do efeito 'extravasamento', quando a felicidade em casa influencia no trabalho", diz Yannis Georgellis, o pesquisador envolvido na pesquisa. "Mas, depois disso, o foco das pessoas inevitavelmente se desloca mais para a vida familiar à medida que as prioridades mudam, e o conflito vida-trabalho aparece", completa.

O estudo evidencia que o impacto negativo sobre a satisfação no trabalho é maior e mais duradouro após o nascimento do primeiro filho. "As pessoas são menos felizes no trabalho por até cinco anos após o nascimento do seu primeiro bebê, embora o efeito pareça ser mais forte para as mulheres, especialmente entre aquelas que trabalham no setor público", diz Georgellis.

Segundo o estudo, para estas profissionais os altos salários não colaboram para as tornarem mais "felizes" no trabalho após eventos como a maternidade e o casamento. No entanto, para as profissionais do setor privado e para os homens, os vencimentos - de forma pouco surpreendente - exerceram efeito positivo e significativo sobre a satisfação no trabalho.

Para o pesquisador, esses dados sugerem que mulheres podem ser mais propensas a serem motivadas por recompensas não-financeiras.

A pesquisa mostra ainda que longas jornadas de trabalho também tem um efeito negativo sobre a felicidade no ambiente profissional, especialmente no setor privado. Já empregados que mudaram de emprego mais recentemente relataram níveis mais elevados de satisfação no trabalho.

Fonte: Isaude.net