Ciência e Tecnologia
01.07.2012

Resposta do sistema imune à perda do sono é semelhante à causada pelo estresse

Estudo tem implicações para a prática clínica e para as profissões associadas à perda de sono a longo prazo

Perda de sono severa coloca o sistema imune em ação, refletindo o mesmo tipo de resposta imediata causada pela exposição ao estresse.

É o que aponta estudo realizado por pesquisadores da Holanda e do Reino Unido que comparou os glóbulos brancos de 15 homens jovens saudáveis em condições normais e severas de privação de sono. As maiores alterações foram observadas nas células brancas do sangue conhecidas como granulócitos, que mostraram uma perda no ritmo dia e noite, juntamente com o aumento de seu número, especialmente à noite.

"Pesquisas futuras irão revelar os mecanismos moleculares por trás dessa resposta imediata ao estresse e elucidar seu papel no desenvolvimento de doenças associadas com perda crônica de sono", diz a principal autora do estudo Katrin Ackermann. "Se confirmado com mais dados, isso terá implicações para a prática clínica e para as profissões associadas à perda de sono em longo prazo, como trabalhos em turnos da noite."

Estudos anteriores associaram restrição e privação do sono com o desenvolvimento de doenças como a obesidade, diabetes e hipertensão. Outros têm mostrado que o sono ajuda a manter o funcionamento do sistema imunitário, e que a perda de sono crônica é um fator de risco para a insuficiência do sistema imunitário.

Para este estudo, as células brancas do sangue foram categorizadas e medidas a partir de 15 homens jovens seguindo um cronograma rigoroso de oito horas de sono todos os dias durante uma semana. Os participantes foram expostos a pelo menos 15 minutos de luz ao ar livre dentro dos primeiros 90 minutos depois de acordar e proibidos de usar a cafeína, álcool ou medicamentos durante os últimos três dias. Tudo isso foi concebido para estabilizar os seus relógios circadianos e minimizar a privação de sono antes do estudo de laboratório intensivo.

Contagens de glóbulos brancos em um sono normal / ciclo vigília foram comparados com os números produzidos durante a segunda parte do experimento, no qual amostras de sangue foram coletadas durante 29 horas de vigília contínua. "Os granulócitos reagiram imediatamente ao estresse físico da perda de sono e diretamente espelharam uma resposta do corpo ao estresse", diz a pesquisadora envolvida no estudo Katrin Ackermann.

Estudo foi publicado no Jornal Sleep.

Fonte: Isaude.net