Geral
29.06.2012

Identificados fatores de risco para transtorno que provoca socos durante o sono

Pesquisa sugere que fumo, traumas e exposição a agrotóxicos podem aumentar o risco de distúrbio comportamental do sono REM

Fumo, trauma , exposição a agrotóxicos e pouca instrução podem ser fatores de risco para um distúrbio do sono raro que leva as pessoas a chutar ou socar enquanto dormem. A conclusão é de um estudo publicado no jornal da Academia Americana de Neurologia.

O trabalho, que envolveu 13 instituições em 10 países, comparou 347 pessoas com distúrbio comportamental do sono REM a outras 347 que não sofrem da condição. Entre esses últimos, 218 tiveram outros distúrbios do sono e 129 não apresentavam problemas enquanto dormiam.

Os resultados mostraram que pessoas com distúrbio comportamental do sono REM foram 43% mais propensas ao tabagismo, tinham 59% mais chance de terem tido um trauma na cabeça com perda de consciência, 67% de terem trabalhado como agricultores e mais que o dobro da probabilidade de terem sido expostos a pesticidas no trabalho. Aqueles com o distúrbio também tiveram menos anos de escolaridade, com uma média de 11,1 anos, em comparação com 12,7 anos para aqueles sem a doença.

Pacientes com o distúrbio não apresentaram falta normal de tônus muscular que ocorre durante o sono, levando-os a agir fora dos seus sonhos. Os movimentos podem ser por vezes violentos, causando prejuízo à pessoa ou ao seu parceiro de cama. Estima-se que 0,5% dos adultos sofram do transtorno.

"Até agora, nós não sabíamos muito sobre os fatores de risco para essa doença, exceto que ela era mais comum em homens e em pessoas mais velhas. Por ser uma doença rara, era difícil obter informações sobre pacientes suficientes para um estudo completo", afirma o autor do estudo Ronald B. Postuma, do Instituto de Pesquisas da Universidade McGill, em Montreal, no Canadá.

A doença pode também ser um precursor para doenças neurodegenerativas, tais como a doença de Parkinson e um tipo de demência. Estudos têm demonstrado que mais de 50% das pessoas com distúrbio comportamental do sono REM podem desenvolver doenças neurodegenerativas anos ou até mesmo décadas depois.

Fonte: Isaude.net