Geral
15.06.2012

Franceses preparam sistema de saúde de MG para Copa do Mundo

Troca de conhecimento busca capacitar técnicos em saúde do estado para possíveis situações de emergência no evento

Foto: Divulgação/SES
Um avião Boeing 747 chegou a ser utilizado para simular um acidente químico e com trauma durante treinamento oferecido pelos franceses para atendimento em situações de desastres.
Um avião Boeing 747 chegou a ser utilizado para simular um acidente químico e com trauma durante treinamento oferecido pelos franceses para atendimento em situações de desastres.

Profissionais de saúde de Minas Gerais participaram, nesta semana, na França, de um treinamento voltado para a atuação em situações de crise em virtude da realização, já nos próximos anos, da Copa das Confederações (2013) e Copa do Mundo (2014) no Brasil. O objetivo é que os técnicos em saúde do estado possam responder adequadamente a situações de desastres, catástrofes e crises sanitárias, bem como na operação das unidades de saúde, hospitais e Serviço de Atendimento Médico de Urgência (SAMU).

O treinamento, que ocorre apenas uma vez por ano na formatura da turma de medicina de catástrofe da faculdade francesa Rene Descartes, envolveu mais de 400 pessoas, sendo envolvidos mais 200 figurantes, que ajudaram a criar o clima de desastre. Um avião Boeing 747 chegou a ser utilizado para simular um acidente químico e com trauma. " Os alunos são submetidos à situação de estresse e são acompanhados pelos instrutores nas várias etapas do socorro: triagem na cena do acidente, montagem do posto médico avançado e tenda de descontaminação" , explicou Pierre Carli, chefe do SAMU de Paris.

Segundo o secretário de Estado de Saúde de Minas Gerais, Antônio Jorge de Souza Marques, o Brasil tem desenvolvido sua política de atenção às urgências através de um modelo semelhante ao adotado na França, principalmente no atendimento pré-hospitalar e na proposta de um sistema de escuta médica constante. " O desenvolvimento desse modelo teve como base a organização dos SAMUs franceses, que desde 2002 têm sido a base da política nacional brasileira de urgência. No entanto, uma das áreas que mais avança nos sistemas de urgência, que são a preparação para situações de catástrofes e a própria medicina de desastres, recebe pouca atenção na elaboração das políticas públicas de urgência no país. Além da pouca difusão de técnicas e da precária formação de profissionais, há também um déficit regulatório no que tange à atenção e vigilância à saúde. Faltam técnicas e metodologias de resposta a essas situações, tanto na área dos SAMUs, quanto na área hospitalar, além da falta de legislação específica" , explicou.

De acordo com dados do Ministério do Turismo, o Brasil deve receber 600 mil turistas estrangeiros com circulação de 3 milhões de brasileiros durante a Copa do Mundo da FIFA 2014. Para Belo Horizonte, a expectativa do ministério é de 200 mil estrangeiros e 430 mil brasileiros, segundo estudo de 2011, desenvolvido em conjunto com a Fundação de Instituto de Pesquisa Econômica (Fipe).

Fonte: Isaude.net