Ciência e Tecnologia
12.06.2012

Muitos casos de insônia têm como causa o medo do escuro

Cientistas confirmaram dados colhidos em entrevistas medindo piscar de olhos dos voluntários em resposta a ruídos no ambiente

Estudo realizado por pesquisadores da Universidade Ryerson, no Canadá, com estudantes universitários de Toronto lança luz sobre um fator que contribui para casos de insônia que pode ser difícil de ser admitido: o medo do escuro. Quase metade dos participantes que referiram ter problemas em dormir também afirmou ter medo do escuro.

Os pesquisadores confirmaram os dados colhidos nas entrevistas medindo o piscar de olhos dos voluntários em resposta a um ruído súbito no ambiente, quanto este estava iluminado e com as luzes apagadas. Os participantes sem problemas de sono se acostumaram aos picos de ruído, mas os que relataram problemas para dormir se mostravam mais apreensivos quando as luzes se apagavam.

" Como tratadores, presumimos que as pessoas com distúrbios de sono tornam-se mais tensas quando as luzes se apagam porque associam a cama com a incapacidade de dormir. Agora queremos saber quantas pessoas realmente têm uma fobia ativa e não tratada" , diz a pesquisadora envolvida no estudo Taryn Moss.

A investigadora principal do estudo, Colleen Carney, observa que os tratamentos para a insônia são altamente eficazes, mas nem todas as pessoas respondem a ele ou recuperam completamente. Por este motivo, ela chama atenção para a necessidade de que se surjam novas abordagens de tratamento.

A pesquisadora observa que entre as abordagens mais comuns para resolver a questão de insônia relacionada ao medo de escuro é o deslocamento do paciente para um ambiente iluminado. No entanto, Carney destaca que a medida não se configura como uma forma efetiva de se tratar uma fobia relacionada com medo do escuro.

" Para estes pacientes talvez seja preciso adicionar componentes de tratamento e adaptar os componentes existentes de tratamento em relação à fobia" , sugere Carney. "É necessário fazer mais investigação, mas acreditamos que podemos ter encontrado uma necessidade de tratamento desconhecida para algumas pessoas com distúrbio de sono" .

Fonte: Isaude.net