Ciência e Tecnologia
14.05.2012

Estudo em excesso diminui concentração de espermatozóides em 20%

Alteração drástica no estilo de vida diminui concentração de sêmen, como também altera morfologia e mobilidade dos espermatozóides

Esforço empregado em uma semana acadêmica reduz em mais de 20% a concentração de espermatozóides. É o que aponta estudo conduzido na Universidade de Aveiro (UA), em Portugal, que revela ainda que as atividades alteram em 15% a morfologia das células reprodutoras masculinas.

De acordo com a líder do projeto, Margarida Fardilha, os abusos estudantis possuem ligação com aumento do consumo de álcool, tabaco e drogas. Além disso, provocam mudanças na alimentação e nos ciclos de sono, que provocam decréscimo da qualidade do esperma.

A bióloga explica que existem várias publicações que indicam que a qualidade do sêmen está a diminuindo na população por várias razões, sendo uma delas o estilo de vida. Por isso, no presente estudo da equipe da UA procurou "avaliar como é que alterações dramáticas têm influência na qualidade dos espermatozóides" com o intuito de alertar jovens sobre o fato de a manutenção de um hábito prejudicial à saúde por vários anos poder apresentar impacto negativo na hora de ter um filho.

De acordo com informações divulgadas pelo site Ciência Hoje, os resultados reportam a uma investigação que teve início em 2010 e que recolheu amostras de sêmen de 55 alunos voluntários das universidades de Aveiro e Coimbra para avaliar a qualidade do sêmen depois de uma semana de excessos acadêmicos. Além disso, os estudantes preencheram, em três momentos, um questionário de controle sobre consumo de álcool, drogas, tabaco, e outros hábitos.

A investigação levou à conclusão de que uma semana de alterações drásticas no estilo de vida possui influências negativas na concentração de sêmen, como também na morfologia e na mobilidade dos espermatozóides.

Fonte: Isaude.net