Geral
28.03.2012

Processamento neural do som tem potencial para melhorar implantes cocleares

Estudo fornece maior compreensão sobre mecanismo utilizado pelo ouvido interno para processar a estrutura temporal do som

Foto: Andrew Hancock/Purdue University
Michael G. Heinz, líder da pesquisa
Michael G. Heinz, líder da pesquisa

Cientistas dos Estados Unidos descobriram o mecanismo utilizado pelo ouvido interno para processar a estrutura temporal do som.

O trabalho tem potencial para melhorar a forma como aparelhos auditivos protéticos são projetados para ajudar as pessoas com perda profunda de audição a ouvir melhor em ambientes ruidosos.

O som pode ser dividido em componentes rápidos e lentos, e os implantes cocleares atuais fornecem apenas componentes lentos diferentes que ajudam as pessoas com perda auditiva a ouvir conversas em quartos tranquilos, mas não lhes permitem ouvir tão bem em lugares movimentados.

Para o estudo atual, a equipe analisou pesquisas anteriores que sugeriram que os componentes rápidos e lentos do som podiam ser separados dentro do ouvido.

A equipe descobriu que componentes neurais lentos desempenham o papel principal em ajudar o cérebro a entender a fala em ambientes ruidosos e que os componentes rápidos são transformados pela cóclea de pessoas com audição normal em componentes neurais mais lentos para ajudar as pessoas a ouvir melhor.

Os pesquisadores Michael G. Heinz e Jayaganesh Swaminathan, da Purdue University, analisaram como sons captados pelos ouvidos com audição normal são entendidos pelo cérebro. Estudos passados haviam avaliado a percepção da forma de onda acústica de som. No entanto, com foco no processamento neural, a equipe esclareceu de que modo componentes rápidos e lentos contribuem para a percepção da fala.

"Alguns pesquisadores acreditavam que um componente pode existir sem o outro, mas agora sabemos que isso é impossível, e esse novo conhecimento pode ajudar os cientistas que estão trabalhando para melhorar o desenho do implante coclear", afirma Swaminathan.

Os implantes cocleares são dispositivos que ajudam a pessoas surdas cujas cócleas não têm células capilares a traduzir o som em respostas neurais conforme os eletrodos do implante estimulam as fibras do nervo auditivo.

"Talvez os implantes cocleares não estejam entregando toda a informação útil por meio das estratégias de estimulação atuais. Neste momento, o dispositivo centra-se nos componentes de variação lenta na forma de onda acústica ao invés dos componentes de variação lenta que aparecem nas respostas neurais", observa Swaminathan.

Segundo os pesquisadores, o estudo mostrou que a flutuação neural lenta é mais importante do que os componentes acústicos que os implantes cocleares fornecem nos dias de hoje. "Isto pode soar como a mesma coisa, mas os componentes lentos neurais incluem a conversão dos componentes rápidos dentro da cóclea com audição normal, o que não ocorre nos ouvidos danificados dos pacientes com implante coclear", explica Heinz.

A equipe acredita que estes resultados são promissores, pois fornecem maior compreensão de um caminho possível para fornecer informações úteis de pistas acústicas rápidas utilizando as flutuações lentas que a tecnologia do implante coclear existente pode proporcionar.

Heinz e Swaminathan planejam continuar estudando como o processamento do sinal neural pode melhorar a compreensão da percepção da fala no ruído, bem como a forma como estes resultados podem ser usados para melhorar os implantes cocleares.

Fonte: Isaude.net