Saúde Pública
31.12.2011

Farmácia de Minas melhora distribuição de medicamentos em cidades do Vale do Aço

Projeto garante acesso da população aos remédios, organizando a assistência farmacêutica e maximizando os recursos financeiros

Foto - Rafael Gomes/Segov MG
Dona Maria da Penha recebe orientação e medicamentos de graça na farmácia da cidade de Bugre
Dona Maria da Penha recebe orientação e medicamentos de graça na farmácia da cidade de Bugre

Municípios do Vale do Aço que receberam unidades do programa Farmácia de Minas já percebem os primeiros benefícios. A iniciativa da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), em parceria com as prefeituras, melhorou a distribuição gratuita de medicamentos a usuários do SUS, com atendimento feito por profissionais qualificados.

O projeto garante o acesso da população aos medicamentos, por meio da organização da Assistência Farmacêutica para atenção à saúde, maximizando os recursos financeiros e aprimorando as atividades técnico-gerenciais de forma integrada às demais ações de saúde no SUS/MG. O programa é responsável pelo atendimento da população, segundo necessidades específicas relativas à atenção primária, alta complexidade e doenças endêmicas, respectivamente Componentes Básico, Especializado e Estratégico da Assistência Farmacêutica.

Na pequena cidade de Bugre, por exemplo, que inaugurou a unidade em setembro deste ano, a farmacêutica responsável, Aline Ferreira, lembra como era o atendimento antes do novo serviço. " A farmácia funcionava em um cubículo dentro do posto de saúde. Era tanto barulho que o paciente nem prestava atenção nas orientações que a gente dava. Queria pegar o remédio rápido e ir embora" .

Atualmente, com o prédio construído em parceria com o município, ela destaca as melhorias no atendimento. " O paciente pode chegar aqui tranquilamente, sentar com conforto, esperar a sua vez, tomar água. Temos mais tempo para orientar e a pessoa presta mais atenção, diminuindo os riscos de erros na hora de tomar a medicação" , afirma.

Segundo Aline, a Farmácia de Minas resolveu um grande problema que o município vinha enfrentando. " Não tínhamos condições ideais de armazenagem de insulina para os diabéticos. Sempre que alguém precisava, tínhamos que buscar em Ipatinga. Hoje, podemos guardar todas as doses aqui mesmo" , destaca ela, ao mostrar o freezer onde o produto está armazenado.

Orientação

A seis quilômetros de Bugre, a cidade de Iapu também aderiu ao programa Farmácia de Minas. O prédio foi construído nos fundos da Unidade Básica de Saúde (UBS) e foi inaugurado em dezembro. O secretário Municipal de Saúde, Herick Campos Ferreira, que também é farmacêutico, destaca as vantagens que levaram o município a firmar a parceria com o Governo de Minas para ter o programa. " Aquela visão de farmácia como uma janelinha onde as pessoas apenas pegam os medicamentos está ultrapassada. Hoje, o tempo para passar a orientação ao paciente é tão importante quanto o remédio em si" , destaca.

Herick já sabe também das vantagens para o município em relação ao gerenciamento dos remédios que estão disponíveis para população. "Às vezes um remédio está vencendo e a gente nem sabe. O software do Farmácia de Minas permite gerenciar melhor o estoque, evitando desperdícios e compras desnecessárias" , conclui.

A unidade da Farmácia de Minas foi construída nos fundos da UBS da cidade, que foi reformada e ampliada em 2008, também com recursos do Governo de Minas.

Investimento

Entre 2007 e 2011, foram investidos R$ 70 milhões no programa. O valor é destinado à reestruturação da infraestrutura e custeio das unidades Rede Farmácia de Minas.

Para cada uma das 207 unidades inauguradas até agora, o Tesouro Estadual destinou até R$ 90 mil para a implantação, sendo R$ 55 mil para a construção do prédio e R$ 35 mil para a montagem. As obras que ultrapassaram o valor de R$ 55 mil tiveram complementos com verbas municipais. Além disso, serão repassadas 13 parcelas mensais de R$ 1,2 mil para complementação salarial do profissional farmacêutico responsável pela unidade.

Para a estruturação do programa Farmácia de Minas, o governo aumentou em 70% os gastos com medicamentos para atenção primária, passando de R$ 56 milhões em 2007, para R$ 96 milhões em 2010. Para Componente Especializado da Assistência Farmacêutica, os investimentos saltaram de R$ 209 milhões para R$ 400 milhões. Com isso, a lista de medicamentos para atenção primária passou de 107 itens em 2007, para 154 em 2010; e o de Componente Especializado, de 155 itens para 195.

Fonte: Isaude.net