Ciência e Tecnologia
25.11.2011

Desenvolvimento da rede cerebral do feto pode ser medido no útero

Processo de desenvolvimento cerebral do feto pode ser medido por meio de tomografia de ressonância magnética funcional

Equipe de pesquisadores do Departamento Clínico de Neuroradiologia e Radiologia Musculoesquelética da Medical University of Vienna, na Áustria, demonstrou que há desenvolvimentos cerebrais do feto que podem ser medidos por meio de tomografia de ressonância magnética funcional no útero. Isto significa, segundo a líder do estudo Veronika Schopf, que as alterações patológicas para o desenvolvimento do cérebro serão detectáveis mais cedo do que são atualmente - e que medidas adequadas podem ser tomadas em tempo útil.

No estudo, 16 fetos entre as semanas 20ª e 36ª de gestação foram medidos. As medidas foram tomadas com as redes cerebrais em estado de repouso. Estas redes permanecem em um estado de prontidão enquanto estão em repouso e sua atividade aumenta após a estimulação adequada. Os exames estão completamente livres de estresse para as mães e estendem a duração "normal" dos exames de ressonância magnética em apenas alguns minutos.

Defeitos funcionais são detectados mais cedo

"Conseguimos demonstrar, pela primeira vez, que as redes em estado de repouso são formadas no útero e que elas podem ser visualizadas e medidas usando imagens funcionais", explicou Schopf.

Esta descoberta significa que, no futuro, o progresso do desenvolvimento da atividade cerebral no feto poderá ser medido e outros resultados e prognósticos a respeito de possíveis processos de avaria poderão ser realizados. Como resultado, os defeitos funcionais, como dos nervos ópticos ou do sistema motor, podem ser detectados enquanto o feto ainda está no útero - uma conquista que antes era impossível - para que os pais possam receber aconselhamento e aconselhamento mais informado, por exemplo.

Fonte: Isaude.net