Saúde Pública
18.11.2011

Dia Nacional de Combate ao Racismo reforça luta contra preconceito no SUS

Governo federal defende atenção diferenciada para diminuir episódios de discriminação no setor público de saúde

O preconceito racial ainda é uma realidade no Brasil e isso se reflete em todos os setores do País, inclusive na área da saúde. Por esta razão, nesta sexta-feira (18), Dia Nacional de Combate ao Racismo, o Ministério da Saúde reforça a importância do combate à discriminação para melhorar o acesso à saúde dentro do SUS.

"Os preconceitos estão arraigados na forma como a instituição se organiza, como o serviço se organiza, como os profissionais foram formados, a cultura da própria instituição. Nós queremos envolver os secretários estaduais e municipais em uma campanha permanente de combate do racismo institucional nos serviços públicos e privados de saúde", disse o ministro Alexandre Padilha.

Para a diretora do Departamento de Apoio à Gestão Participativa do Ministério da Saúde, Julia Roland, a comunidade negra merece uma atenção especial do governo federal para diminuir os episódios de discriminação racial no SUS. "Uma das lutas que o Ministério da Saúde vem fazendo é exatamente no sentido de procurar implementar políticas para tratar de forma diferenciada aquelas parcelas da população que sofrem mais desigualdade, entre elas, a população negra. Tem que ter uma abordagem diferenciada para melhorar suas condições de saúde", avalia.

Recentemente Padilha e a ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Luiza Bairros, assinaram um acordo de adesão à campanha "Igualdade Racial é Pra Valer". Desde então, o governo federal tem desenvolvido estratégias no Programa de Enfrentamento ao Racismo Institucional no SUS.

Fonte: Isaude.net