Geral
07.11.2011

Terapia com luz infravermelha mata células do câncer sem atingir tecido saudável

Técnica testada em ratos pode ser usada no tratamento de tumores de mama, pulmão, próstata, e leucemias em humanos

Pesquisadores do National Institute of Health, nos Estados Unidos, projetaram uma terapia à base de luz que permite a destruição seletiva das células tumorais em camundongos sem prejudicar o tecido circundante normal.

O novo método de tratamento do câncer poderia, teoricamente, trabalhar contra tumores em seres humanos, tais como os de mama, pulmão, próstata, bem como células de câncer no sangue, como leucemias.

A terapia fotodinâmica atual não é específica para as células cancerígenas, resultando em danos ao tecido normal. Os pesquisadores começaram então a desenvolver uma terapia de luz que pode mais precisamente atacar as células cancerosas, poupando um maior número de células saudáveis.

O tratamento, chamado fotoimunoterapia, ou PIT, utiliza a luz ultravioleta matar os tumores de forma rápida e seletiva. Para criar a abordagem, os cientistas acoplaram um anticorpo monoclonal ou mAb, que reconhece as proteínas específicas da superfície das células cancerosas, a um fotossensibilizador, molécula que, quando exposta à luz do comprimento de onda adequado, rapidamente danifica as células . A esperança era que o fotossensibilizador combinado com mAb poderia matar seletivamente as células do câncer após a exposição à luz infravermelha.

Depois de avaliar um grande número de fotossensibilizadores, os cientistas descobriram que um corante fluorescente chamado infravermelho próximo IR700 tinha as propriedades químicas mais favoráveis.

Eles ligaram IR700 a três mAbs diferentes, incluindo anticorpos que alvejam HER2, que é abundante em alguns cânceres de mama; EGFR, abundante no câncer de pulmão, pâncreas e cólon, e PSMA, presente no câncer de próstata.

Os resultados mostraram que quando as células de câncer se ligavam a mAb-IR700 e eram expostas à luz infravermelha, as células-alvo rapidamente morriam enquanto as células sem a capacidade de se vincular o complexo saíram ilesas.

Quando o complexo foi testado em modelos de rato com câncer, mesmo uma dose única de luz infravermelha resultou em diminuição dramática do tumor em camundongos que tinham recebido mAb-IR700. Como a luz visível, a luz infravermelha tem uma gama de comprimentos de onda que variam do vermelho ao violeta, luz infravermelha é o mais próximo no comprimento de onda da luz visível.

Fotoimunoterapia usando mAb-IR700, ao contrário dos convencionais fotossensibilizantes que podem causar danos ao tecido saudável, não parece prejudicar as células normais.

Considerando que a luz que é necessária para ativar fotossensibilizadores convencionais pode penetrar através de apenas cerca de 0,8 centímetro de tecido (cerca de um terço de uma polegada), a luz infravermelha usadas para ativar IR700 pode penetrar o tecido a uma profundidade de vários centímetros.

O estudo também descobriu que doses de anticorpos necessárias para o diagnóstico foram significativamente menores que as exigidas para a terapia. No entanto, após a exposição a mAb-IR700, os tumores diminuíram em tamanho e, eventualmente, desapareceram, sugerindo um meio potencial de controle do câncer com doses muito mais baixas do que geralmente são administradas a pacientes com câncer.

Segundo os pesquisadores, como o composto mAb-IR700 também emite uma pequena quantidade de luz, ele pode ser usado para monitorar a terapia. "A capacidade de unir diferentes mAbs a IR700 significa que esta técnica pode ser usada como um guia não-invasivo para monitorar os resultados dos tratamentos", revela o pesquisador Hisataka Kobayashi.

Apesar de mais testes serem necessários, a equipe acredita que este método PIT tem o potencial para substituir alguns tratamentos cirúrgicos e que utilizam radiação, além da quimioterapia.

Fonte: Isaude.net