Ciência e Tecnologia
05.10.2011

Complicações da doença renal crônica ocorrem mais cedo na infância

O maior estudo prospectivo de crianças com doença renal crônica confirmou que as complicações ocorrem cedo

Sobre este fato que pode levar a uma mudança no tratamento, o maior estudo prospectivo de crianças com doença renal crônica confirmou as suspeitas de alguns especialistas de que as complicações ocorrem cedo. As descobertas sugerem a necessidade de um monitoramento mais precoce e agressivo da pressão arterial, da anemia e de outros problemas associados com a doença renal, de acordo com a especialista em nefrologia pediátrica Marva Moxey-Mims.

A falha no crescimento, as anormalidades metabólicas e os fatores de risco da doença cardiovascular, como a hipertensão, ocorrem mesmo em uma taxa de filtração glomerular de 50 milímetros por segundo nas crianças com doença renal crônica. A taxa de filtração glomerular é uma medida do funcionamento dos rins e uma taxa de 50 milímetros por minuto é, aproximadamente, metade do funcionamento normal. Apesar da terapia, a prevalência destas complicações aumenta de duas a quatro vezes com a queda da taxa.

Moxey-Mims notou que muitos especialistas pensavam anteriormente que as complicações da doença renal, como a anemia, a acidose, a acidose e o fosfato elevados, geralmente não aconteciam até que a função renal ficasse muito pior do que em uma taxa de 50 milímetros por minuto.

" As anormalidades metabólicas e os fatores de risco para a doença cardiovascular raramente têm sido sistematicamente analisados nas crianças com doença renal crônica. Buscamos identificar o ponto ao longo do espectro da taxa de filtração glomerular no qual várias consequências comuns da doença renal crônica tornam-se mais prevalentes" , disse Susan Furth.

Considerando-se que muitas crianças podem não ser diagnosticadas com doença renal até que estejam com o menor nível de funcionamento renal, isto é importante. Mesmo acima de uma taxa de filtração glomerular de 50 milímetros por minuto, algumas das anormalidades já estão lá. Realmente, elas pioram quando o funcionamento renal cai, mas o estudo mostra que os problemas começam a se desenvolver antes do que muitos pensavam. Agora sabemos que as crianças que estão com uma taxa de filtração glomerular de 50 milímetros por minuto são aquelas que devem ser observadas com mais proximidade" , disse Moxey-Mims.

Fonte: Isaude.net