Geral
04.10.2011

Steinman prolongou própria vida graças a pesquisa que lhe rendeu Nobel

Informação foi revelada por membros de sua equipe, que afirmaram que ele teria ficado entusiasmado de receber o prêmio

O biólogo celular canadense Ralph Steinman, que morreu há três dias, prolongou sua própria vida graças à pesquisa de imunoterapia de célula dendrítica desenvolvida para tratar seu câncer de pâncreas, estudo que lhe rendeu o Nobel de Medicina 2011.

Esta informação foi revelada por seus companheiros da Universidade Rockefeller de Nova York, que, em entrevista coletiva, disseram viver um momento contraditório com o reconhecimento de Steinman e a confirmação de sua morte, anunciada nesta segunda.

"Seu sonho era utilizar seu descobrimento para desenvolver vacinas, e esse sonho está bastante próximo", afirmou Michel Nussenzweig durante a entrevista, que contou com o presidente da universidade nova-iorquina, Marc Tessier-Lavigne.

O presidente da instituição declarou que soube que Steinman tinha sido eleito para receber o prestigioso prêmio somente na manhã desta segunda, somente meia hora depois de receber a notícia de que o mesmo tinha morrido na última sexta.

Tessier-Lavigne e outros acadêmicos da Universidade Rockefeller disseram que Steinman teria ficado "entusiasmado" por receber o prêmio.

Em Estocolmo, a Fundação Nobel disse que vai manter o prêmio de Medicina para Steinman, que junto com o americano Bruce Beutler e o francês Jules Hoffmann apresentou contribuições ao estudo do sistema imunológico.

Fonte: EFE