Profissão Saúde
27.09.2011

Hospital das Clínicas da UFMG prepara futuros médicos para lidar com surdos

Objetivo é sensibilizar os profissionais, uma vez que as faculdades não oferece qualificação para atender este tipo de paciente

As disciplinas curriculares dos cursos de saúde não preparam o futuro profissional para lidar com pacientes surdos, embora 10% da população mundial apresente algum tipo de problema auditivo, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS). Com o intuito de sensibilizar os alunos de Medicina para essa realidade, o Hospital das Clínicas da UFMG mantém o projeto de extensão Comunica, coordenado por professres da Faculdade de Medicina e do Instituto de Ciências Biológicas (ICB). Uma iniciativa importante para ser comemorada hoje, junto ao Dia Nacional dos Surdos.

Em encontros periódicos, os estudantes participam de dinâmicas em que são encenadas três situações de atendimento a pacientes surdos. " Na primeira, simula-se a chegada ao consultório médico de um surdo desacompanhado" , conta Leonor Guerra. Na segunda cena, o paciente traz acompanhante que consegue intermediar o diálogo com o médico. Na última, o profissional de saúde se expressa na Língua Brasileira de Sinais (Libras). " Não defendemos que todo profissional de saúde aprenda Libras - embora fosse o ideal -, mas procuramos alertar para uma situação possível" , explica a professora.

O projeto de extensão também realiza atividades regulares na Escola Estadual Francisco Salles, cujo ensino é voltado para deficientes auditivos. De acordo com Maria Arlete do Espírito Santo, supervisora pedagógica da escola, a iniciativa tem sido bem aceita pela comunidade. "Os alunos gostam de participar" , atesta.

Outra frente é o atendimento no Serviço de Atenção à Saúde Auditiva do Hospital das Clínicas a cerca de 200 pacientes em idade escolar (de 8 a 15 anos) com alterações auditivas de diferentes graus. Os profissionais levam em conta os problemas de escolarização vivenciados por esse público, beneficiado semanalmente por oficinas de leitura. " Os pacientes são comunicativos, têm forte expressão facial, gestual e corporal, e tentam se comunicar de todas as formas" , testemunha a estudante de Medicina Flávia Araújo.

Interessados devem entrar em contato com o ambulatório de Fonoaudiologia do HC pelo telefone (31) 3409-9580. Já os estudantes que desejam atuar como voluntários podem enviar e-mail para dieneas@yahoo.com.br.

Fonte: UFMG