Saúde Pública
24.08.2011

Universidade de Oxford financia investigação por antibióticos mais eficazes

Pesquisadores do departamento de química trabalham em novas drogas para combater avanço de superbactérias

Pesquisadores do departamento de química da Oxford Uniersity, no Reino Unido, estão trabalhando em uma nova classe de antibióticos. O estudo é financiado pelo Oxford Invention Fund, que já recebeu £ 500 mil desde junho do ano passado em doações feitas por quatro pessoas, incluindo Douglas Hague e Tim Cook.

"Estas doações nos permitirão fazer até dez investimentos nas bem-validadas e promissoras tecnologias de Oxford. O objetivo é torná-los atraentes para a próxima fase de investimento ou em um acordo de licenciamento com uma empresa estabelecida", disse Tom Hockaday, da Isis Innovation.

O professor de química Mark Moloney, cujo grupo concebeu um produto natural para identificar os antibióticos de última geração, explica que, na fase inicial, o financiamento seria usado para determinar quais os compostos poderiam vir a ser drogas clinicamente eficazes. Para ele " a descoberta de novos antibióticos tem se tornado extremamente importante devido ao surgimento de bactérias resistentes às drogas atuais. A urgência da tarefa é sublinhada pelo recente surto de E. coli na Alemanha, em junho de 2011" .

Moloney explica que este projeto vai testar a atividade antibacteriana de novos produtos químicos projetados e sintetizados pela equipe para criar dados suficientes e despertar o interesse de um parceiro comercial, como uma empresa de biotecnologia ou farmacêutica para levar o trabalho ainda mais a diante.

O fundo de Oxford segue o modelo bem sucedido do Oxford University Challenge Seed Fund (UCSF) que já investiu £ 6 milhões no financiamento de 115 projetos, promoveu a criação de 33 empresas e a conclusão de 51 ofertas comerciais.

Todos os estudantes, pesquisadores e professores da Universidade de Oxford podem se candidatar para receber ajuda do fundo, por meio da Isis Innovation, incubadora de empresas da universidade.

Fonte: Isaude.net