Ciência e Tecnologia
17.06.2011

Mistura de agentes antimicrobianos e gorduras mata bactérias super resistentes

Estudo pode contribuir para superação da letalidade das bactérias resistentes e combater surtos como o da E. coli na Alemanha

Foto: McMaster University
Estudo obeteve a colaboração do Department of Biochemistry and Biomedical Science at McMaster University em Hamilton
Estudo obeteve a colaboração do Department of Biochemistry and Biomedical Science at McMaster University em Hamilton

Cientistas da Universidade McMaster, no Canadá, relataram que agentes antimicrobianos presentes em misturas de lipídios (gordura) podem aumentar significativamente a eficácia desses agentes para matar bactérias resistentes. O estudo pode contribuir para a superação dos efeitos letais de bactérias resistentes a drogas, que está se tornando um problema clínico crescente em especial nos hospitais.

O pesquisador Richard Epand e seus colegas conduziram experimentos com grupos de camundongos infectados com doses letais de Escherichia coli multirresistente (E. Coli). Em seguida eles trataram os ratos com combinações de drogas convencionais ou combinações de medicamentos encapsulados em misturas de lipídios.

Eles descobriram que certas misturas lipídicas fizeram com que as drogas agissem em conjunto de forma sinérgica. Desta forma, elas eram muito mais eficazes em aumentar a taxa de sobrevivência dos ratos porque superaram os mecanismos celulares utilizados por estas bactérias para derrotar agentes terapêuticos.

Os resultados também demonstraram um novo uso de uma família de agentes antimicrobianos chamada oligo-acil-lysyls, com potencial de ser combinada a outros medicamentos e misturas de lipídeos de modo a produzir uma plataforma para outras aplicações específicas.

"Como vimos no recente surto de E. Coli na Alemanha, as bactérias podem sofrer mutações para se tornar " super bactérias" que resistem a antibióticos. Graças a esta terapia antibiótica baseada em lipídios, as bactérias multi-resistentes podem começar a perder sua força", explica o pesquisador Gerald Weissmann.

Fonte: Isaude.net