Geral
13.06.2011

Profissionais precisam de melhor qualificação para atender emergência

Debatedor aponta necessidade de aperfeiçoamento da formação e defesa da reforma curricular nos cursos

Especialistas na área de saúde elogiaram a importância de iniciativas como a que criou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas ressaltaram que os profissionais das unidades hospitalares precisam estar mais bem preparados para situações de emergência. O debate foi promovido na última quinta-feira (9), em audiência pública, pela Subcomissão Permanente de Promoção, Acompanhamento e Defesa da Saúde, que funciona na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado.

Muitas vezes os pacientes morrem, ao chegarem em unidades hospitalares, porque falta gente qualificada para atendê-los - disse Renilson Rehem, representante do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass).

Médico do Instituto do Coração (Incor), Sergio Timerman também apontou a necessidade de aperfeiçoar a formação dos profissionais de saúde. Quanto aos médicos em particular, ele disse que muitos dos recém-formados saem da faculdade com uma formação "insuficiente" no que se refere a atendimentos de urgência e emergência. Para sanar o problema, ele defendeu uma reforma curricular nos cursos.

Os participantes da audiência defenderam ainda a valorização dos profissionais que atuam na área de emergência. Ao concordar com essa opinião, o senador e ex-ministro da Saúde Humberto Costa (PT-PE), que preside a subcomissão, observou que "esses profissionais não possuem o reconhecimento que existe em outras áreas".

Sergio Timerman também apontou a resistência contra os protocolos, que seria "comuníssima". Como exemplo, ele citou o caso de um medicamento que foi recentemente proscrito devido aos riscos que oferece, mas que alguns médicos insistem em continuar utilizando.

Não utilizar protocolos, que estabelecem padrões e resultam de estudos científicos, é uma má prática - reiterou.

Fonte: Isaude.net