Saúde Pública
10.06.2008

Brasil cria rede de pesquisas com células-embrionárias

Depois de vitória no STF, pequisadores querem recuperar tempo perdido com 3 anos de proibição

Está previsto para o fim deste mês o lançamento da rede brasileira para a pesquisa com células-tronco, financiada pelos ministérios da Saúde e da Ciência e Tecnologia.
"Trata-se de uma rede de conhecimento e não fisicamente estruturada, que vai integrar um conjunto de instituições e entidades para trabalhar em cima de alguns princípios e objetivos", explicou o Ministro da Saúde, José Gomes Temporão.
Inicialmente a rede deve receber recursos em torno de R$ 25 milhões. "É uma área em que o Brasil tem condições de estruturar um grau de conhecimento e competir com os países centrais para o desenvolvimento de novas tecnologias", comentou o ministro. Ele aposta na iniciativa para recuperar o tempo perdido nos 3 anos em que as pesquisas ficaram suspensas no Brasil.
Os estudos foram liberados no dia 29 de maio a partir de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que julgou improcedente a ação direta de inconstitucionalidade movida em 2005, pela Procuradoria Geral da República, contra o Artigo 5º da Lei de Biossegurança, que autorizava as pesquisas.

A decisão foi comemorada por diversos setores da sociedade e mantém a esperança de cura para pacientes com doenças degenerativas ou portadores de deficiência.

Para o ministro do STF Celso de Mello a decisão " representa a aurora de um novo tempo, a celebração solidária da vida e da liberdade, que garante a esperança de uma vida com dignidade aos portadores deficiência" .

Fonte: MINISTÉRIO DA SAÚDE