Ciência e Tecnologia
02.05.2011

Cirurgia robótica é eficaz para remover câncer de garganta de difícil acesso

Tratamento permitiu que pacientes evitassem outras terapias subjacentes e continuassem comendo e falando normalmente

mayoclinic

Cirurgiões da Mayo Clinic, nos Estados Unidos, descobriram que a cirurgia robótica pode ser a nova opção de tratamento para o câncer de garganta de difícil acesso.

O tratamento cirúrgico, já utilizado para tratar câncer de cabeça e pescoço, permitiu que pacientes com tumores na garganta evitassem outros tratamentos com quimioterapia ou radioterapia e continuassem comendo e falando normalmente.

O estudo sobre a cirurgia robótica transoral (TORS) seguiu nove pacientes por até três anos após a remoção do carcinoma espinocelular supraglótico, que afeta a área da laringe acima das cordas vocais.

A maioria dos pacientes tinha doença em estágio avançado. Resultados mostraram que TORS efetivamente remove o câncer de forma menos invasiva e é mais fácil de ser realizado do que a abordagem de microcirurgia transoral à laser através de um laringoscópio.

Os pacientes também foram submetidos a remoção cirúrgica de linfonodos cervicais adjacentes na mesma operação.

" Ficamos satisfeitos com os resultados sobre o câncer", disse o pesquisador Kerry Olsen. "Nós também descobrimos que os pacientes tiveram problemas mínimos após a cirurgia, na maioria dos casos retomando alimentação, deglutição e fala normais."

Como funciona

Com TORS, os braços robóticos que entram pela boca incluem uma câmera fina, um braço com um bisturi ou laser e um braço com uma ferramenta de aperto para recolher e apreender tecido.

O cirurgião senta em um console, controlando os instrumentos e visualizando o campo cirúrgico tridimensional em uma tela.

"A câmera aumenta a visibilidade", observou Olsen. "Nós também ganhamos a capacidade de manobrar e ver as ' esquinas' em espaços apertados e acreditamos que vamos ser capaz de remover mais tumores na garganta do que com as abordagens tradicionais do passado."

A utilização da cirurgia robótica depende da arquitetura do câncer de garganta e pescoço de um paciente, juntamente com o tipo e a extensão do tumor.

"O que sabemos desse estudo é que, para câncer de laringe, temos uma outra ferramenta cirúrgica eficaz. Podemos ainda personalizar o tratamento do câncer para cada paciente e prestar cuidados individualizados", afirmou Olsen.

Fonte: Isaude.net