Ciência e Tecnologia
01.04.2011

Defeito genético sugere que pressão arterial elevada é herdada de mãe

Mutação única na mitocôndria pode fornecer novos insights sobre a 'transmissão' da hipertensão materna

Defeito genético específico descoberto em família chinesa aponta que pressão arterial elevada pode ter raízes hereditárias por parte materna. A descoberta é de pesquisadores da Cincinnati Children's Hospital Medical Center, nos Estados Unidos e da Universidade Médica de Viena, na Áustria.

O defeito é resultado de uma mutação única - a substituição de uma única base de DNA por outra durante a replicação - nos genes de uma pequena organela celular chamada mitocôndria, que gera energia para a célula.

Quando as células reprodutivas se juntam para formar um embrião, o DNA mitocondrial da célula da mãe é passado para os filhos. Evidências têm sugerido uma ligação entre a herança de pressão alta da mãe devido à herança mitocondrial.

Resultados do estudo fornecem evidências genéticas, moleculares e bioquímicas de que uma mutação mitocondrial conhecida como tRNAIle 4263A>G está associada à herança de pressão arterial elevada.

Os geneticistas identificaram uma grande família do norte da China em que 15 dos 27 membros que descendem do mesmo ancestral feminino apresentaram pressão arterial acima de 140/90 mmHg, mesmo após tratamento. Apenas sete dos 81 parentes não-maternos apresentaram pressão arterial elevada.

Os investigadores compararam os membros da família com 342 residentes chineses da mesma área para confirmar um vínculo materno. A análise do genoma mitocondrial de parentes maternos e outros testes revelaram o local da mutação relacionada à hipertensão e mostrou que essa mutação prejudica a cadeia respiratória mitocondrial , o que aumenta os níveis de espécies reativas de oxigênio (ou seja, os radicais livres).

Resultados mostram que disfunção mitocondrial herdada está envolvida na pressão arterial elevada e pode fornecer novos insights sobre a hereditariedade da hipertensão materna.

Fonte: Isaude.net