Ciência e Tecnologia
01.02.2011

Tecnologia a laser pode tornar biópsias indolores e não invasivas

Pesquisadores estão utilizando microscópios que implantam pulsos rápidos e ultra-curtos para a identificação de moléculas

Foto: Michigan State University
"Lasers inteligentes nos permitem seletivamente excitar compostos - mesmo com pequenas diferenças espectroscópicas", diz Marcos Dantus

Laser pode realizar biópisias de forma indolor e não invasiva. É o que aponta estudo realizado por pesquisadores da Universidade Estadual de Michigan, nos Estados Unidos.

A utilização de microscópios a laser que implantam pulsos rápidos e ultra-curtos para a identificação de moléculas, pode se configurar como uma nova ferramenta para médicos na detecção de doenças como o câncer sem causar incômodo ou dor.

"Lasers inteligentes nos permitem seletivamente excitar compostos - mesmo com pequenas diferenças espectroscópicas. Nós podemos moldar o pulso do laser, excitar um composto ou outro com base em suas assinaturas vibracionais, e isso nos dá um excelente contraste", explicou o líder do estudo, Marcos Dantus.

Outras aplicações

A nova tecnologia também pode apresentar outras utilidades potenciais como permitir que os pesquisadores examinem cuidadosamente como determinados compostos penetram a pele e o cabelo. O laser também pode identificar melhor como as drogas penetram o tecido e como as drogas e o tecido interagem, atenuando as chances de efeitos colaterais e ajudando a reduzir o tempo necessário para colocar novos medicamentos no mercado.

Dantus também está usando a tecnologia de imagem a laser para a detecção de vestígios de substâncias perigosas à distância.

"A capacidade de visualizar com sensibilidade e especificidade molecular abre uma série de aplicações na medicina, bem como na segurança interna", afirmou ele.

MichiganStateU
Marcos Dantus fala sobre a biópsia a laser

Fonte: Isaude.net